Seul e Washington decidem adiar manobras militares por Olimpíadas de Inverno

(Atualiza comm mais detalhes da conversa)

Seul, 4 jan (EFE).- Os presidentes da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiram nesta quinta-feira adiar as manobras militares anuais que ambos países realizam para depois dos Jogos Olímpicos de PyeongChang, em um momento marcado pela aproximação de Seul com a Coreia do Norte.

Ambos tomaram a decisão após conversar por telefone, segundo informou o escritório presidencial sul-coreano, citado pela agência de notícias "Yonhap".

A decisão foi tomada depois que o Kim Jong-Un expressou seu desejo de participar dos Jogos Olímpicos de Inverno que serão realizados no condado sul-coreano de PyeongChang entre os dias 9 e 25 de fevereiro, data em torno da qual Seul e Washington costumam iniciar seus exercícios militares.

"Acredito que ajudaria muito para assegurar o sucesso dos Jogos de Inverno de PyeongChang que o senhor mostrasse a intenção de atrasar os exercícios durante o evento", disse Moon a Trump, segundo a transcrição da conversa.

Trump concordou em adiar as manobras e disse a Moon que pode comunicar a Pyongyang que não haverá "guerra" durante a reunião esportiva.

"Manteremos um estrito contato com os EUA durante o processo de diálogo entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte e temos certeza que esse diálogo ajudará a criar uma atmosfera para o diálogo entre EUA e Coreia do Norte para que o tema nuclear possa ser resolvido", acrescentou Moon.

Trump assegurou que Washington facilitará toda a ajuda necessária para que Seul e Pyongyang dialoguem e disse que "os Estados Unidos apoiam a presidente Moon Jae-in 100%".

Com relação à ajuda para promover os Jogos de PyeongChang o presidente americano se comprometeu a enviar à reunião olímpica uma delegação de alto nível na qual estariam incluídos membros de sua família.

Seul já havia pedido no final do ano a Washington que considerasse o adiamento dos exercícios para evitar que o regime norte-coreano, que costuma considerar estas manobras como um ensaio para invadir seu território, responda realizando um novo teste nuclear.

Seul respondeu aos gestos de Pyongyang, país com o qual tecnicamente está em guerra há mais de 65 anos, propondo conversas de alto nível em 9 de janeiro para tratar a possível participação do Norte na reunião esportiva, ainda que o regime norte-coreano não tenha se pronunciado a este respeito.

A aproximação entre ambas as partes pode contribuir para aliviar a tensão após os testes nucleares de Pyongyang e as beligerantes respostas de Donald Trump que marcaram 2017.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos