Twitter justifica sua decisão de não bloquear líderes mundiais

Washington, 5 jan (EFE).- Diante das crescentes críticas pelo uso que alguns líderes políticos fazem das redes sociais para divulgar mensagens tendenciosas ou diretamente falsas, o Twitter emitiu nesta sexta-feira um comunicado para justificar sua decisão de não exercer nenhum tipo de censura a respeito.

"Bloquear um líder mundial no Twitter ou eliminar seus tweets controversos apenas ocultaria uma informação importante que as pessoas devem poder ver e debater. Além disso, também não serviria para silenciar tal líder e, no entanto, dificultaria a discussão necessária em torno de suas palavras e ações", explicou a empresa em um comunicado.

O Twitter decidiu se posicionar depois que numerosos usuários criticaram a rede social nos últimos meses por não ter estabelecido um filtro para evitar os abusos cometidos por algumas figuras públicas que utilizam a plataforma para transmitir mensagens que, de outra maneira, não teriam o mesmo alcance.

Um dos casos de maior destaque é, sem dúvida, o do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que não hesita em usar seu perfil pessoal no Twitter para criticar os meios de comunicação, divulgar dados duvidosos sobre o seu governo e, inclusive, para ameaçar e insultar outros líderes mundiais.

De fato, o próprio Trump se converteu em um dos principais causadores desta polêmica depois que decidiu compartilhar em novembro do ano passado uma série de vídeos do partido minoritário de extrema-direita Britain First, que foram considerados anti-islâmicos.

Esta ação de Trump gerou uma onda de reações por parte de muitos cidadãos que exigiram que o Twitter eliminasse essas mensagens e bloqueasse a conta do governante, tal e como faz com outros usuários que utilizam a rede social para divulgar mensagens de conteúdo racista, sexual e de ódio.

O Twitter, que reconheceu "revisar" as mensagens dos líderes mundiais, assinalou que, nesses casos, é preciso levar em conta "o contexto" e negou que sua decisão de não tomar medidas a respeito tem como base o seu interesse por gerar mais tráfego nas redes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos