Premiê húngaro afirma que seu governo trata muçulmanos como invasores

Berlim, 8 jan (EFE).- O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, afirmou em entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal alemão "Bild" que seu governo e ele não veem os muçulmanos que chegam fugindo à Europa como refugiados, mas como invasores.

"Não consideramos essa gente como refugiados, mas como invasores muçulmanos", respondeu Orbán a uma pergunta sobre por que a Hungria se nega a receber pessoas que buscam amparo.

Orbán acrescentou ainda que para chegar à Hungria a partir da Síria as pessoas têm que atravessar quatro países que "não são tão ricos como a Alemanha, mas são estáveis".

"Já nesse percurso não estão lutando pela sua vida. Com isso se mostra que são imigrantes econômicos que simplesmente querem uma vida melhor", considerou.

Orbán ressaltou ainda que a Hungria tem direito a negar-se a receber muçulmanos e reiterou sua rejeição ao multiculturalismo sobre o qual disse que "não é mais que uma ilusão".

"Acreditamos que um alto número de muçulmanos leva à formação de sociedades paralelas porque a sociedade cristã e a sociedade muçulmana nunca se unirão", opinou.

"O multiculturalismo é somente uma ilusão. Não queremos algo assim", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos