Topo

Polêmico ex-xerife condenado por racismo diz que concorrerá ao Senado dos EUA

09/01/2018 16h00

Tucson (EUA), 9 jan (EFE).- O polêmico ex-xerife do condado de Maricopa Joe Arpaio, declarado culpado por um Tribunal por discriminação racial, anunciou nesta terça-feira que concorrerá a uma vaga no Senado pelo estado do Arizona para ajudar o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Em uma mensagem em sua conta pessoal do Twitter, Arpaio disse que concorre para "apoiar a agenda e políticas" de Trump em sua missão de "fazer os EUA grande de novo" (Make America Great Again).

Arpaio buscará nas eleições de novembro ocupar a cadeira deixada pelo senador Jeff Flake, crítico ao presidente e que recentemente anunciou que não concorreria novamente.

"Não podia ficar sentado sabendo que meus netos herdariam um país pior do que eu passei a minha vida defendendo", disse o ex-xerife em um site que abriu para receber apoios para sua campanha.

Arpaio foi por mais de duas décadas xerife do condado de Maricopa e ficou conhecido pela sua mão dura contra imigrantes sem documentos e o estabelecimento da polêmica prisão ao ar livre, onde os presos sofriam com as inclemências do clima.

Sob suas ordens, o Departamento de Polícia de Maricopa foi declarado culpado de discriminação racial.

Este revés judicial, somado a outros fatores polêmicos, contribuiu para que perdesse as eleições em novembro de 2016.

Finalmente, Trump lhe deu perdão presidencial, o que o salvou de uma possível sentença de até seis meses de prisão, ainda que não tenha lhe atribuído um posto em seu gabinete, tal e como Arpaio desejava e espalhou rumores durante semanas.

"Estou convencida de que os eleitores do Arizona já estão cansados de Arpaio. Duvido muito que possa ganhar", disse nesta terça-feira à Agência Efe a ativista Lydia Guzmán.