Topo

Casa Branca diz que ordem para reativar plano migratório DACA é "indignante"

10/01/2018 13h27

Washington, 10 ene (EFE).- A Casa Branca considerou nesta quarta-feira "indignante" a ordem de um juiz federal para que seja parcialmente reativado o plano migratório DACA (Ação Diferida para os Chegados na Infância) e que continuem sendo recebidas as solicitações de jovens sem documentos que querem interromper seus processos de deportação até que sejam resolvam todos os recursos legais a essa medida.

"Consideramos esta decisão como indignante", apontou Sarah Sanders, a porta-voz da Casa Branca, em um comunicado.

Sarah ressaltou que "um tema desta magnitude deveria transcorrer através do processo legislativo normal".

A porta-voz comentava assim a decisão do juiz William Alsup, da Corte do distrito norte da Califórnia, que ontem considerou "arbitrária e caprichosa" a decisão de setembro do ano passado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de acabar com o DACA e dar ao Congresso um prazo até 5 de março para solucionar a situação dos jovens sem documentos que o programa beneficia.

Por fim, Sarah ressaltou que Trump está "comprometido com o estado de direito, e trabalhará com membros de ambos os partidos para conseguir uma solução permanente que corrija as ações inconstitucionais tomadas pelo governo anterior".

O presidente americano teve um encontro ontem com legisladores republicanos e democratas para tentar avançar nas negociações em relação a uma solução para os "sonhadores", como são conhecidos os jovens beneficiários deste programa.

O plano DACA foi promulgado pelo ex-presidente Barack Obama em 2012 e protegeu da deportação e outorgou uma licença de trabalho temporária a cerca de 690 mil jovens que chegaram aos EUA quando crianças e são conhecidos como "sonhadores".