Restaurantes norte-coreanos seguem abertos na China apesar de sanções da ONU

Pequim, 10 jan (EFE).- Alguns restaurantes norte-coreanos permanecem abertos nesta quarta-feira em Pequim apesar de ter expirado o prazo outorgado pelo governo chinês para o fechamento das empresas desse país presentes na China, de acordo com as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

Vários restaurantes norte-coreanos da capital mantêm hoje sua atividade normal e recebem reservas de clientes para os próximos dias, embora outros tenham fechado suas portas cumprindo com o prazo estabelecido para sua implementação, que terminou ontem.

"Está aberto normalmente", disse à Agência Efe um funcionário do restaurante Pyongyang Haitanghua, que preferiu manter o anonimato e garantiu que não havia previsão para o fechamento do estabelecimento, um dos mais populares de culinária norte-coreana da capital.

No último dia 28 de setembro, o Ministério de Comércio da China anunciou o fechamento das empresas norte-coreanas e mistas (com capital chinês e norte-coreano) com presença neste país, de acordo com a resolução 2375, adotada por unanimidade pelo Conselho de Segurança para pressionar o regime de Kim Jong-un a deter seus programas de desenvolvimento de armas nucleares e mísseis.

Sobre a questão, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Lu Kang, reiterou há vários dias que as autoridades chinesas foram claras sobre a data limite da implementação e que se investigará se alguma empresa a descumprir.

Além disso, lembrou que a China sempre cumpriu com suas obrigações e implantou as resoluções adotadas pelo Conselho de Segurança.

Em meio às conversas de alto nível entre as duas Coreias, as primeiras em dois anos, o porta-voz chinês de Exteriores voltou a pedir hoje à comunidade internacional que proporcione mais apoio e compreensão perante os esforços realizados por ambos países para reduzir a tensão regional.

Ao tentar realizar uma reserva em outro restaurante norte-coreano de Pequim, o Pyongyang Lingluodao, a rececionista assegurou que hoje estaria aberto no horário habitual.

"No futuro, não tenho certeza", disse, sem querer dar mais detalhes ao ser perguntada por esta proibição governamental.

O mesmo repetiu outra funcionária do restaurante Okryugwan: "Hoje está aberto".

O comunicado ministerial de setembro do ano passado detalhava que, além das empresas em território chinês, também seriam fechadas as empresas com capital chinês e norte-coreano estabelecidas no exterior.

A República Popular da China é o principal parceiro comercial da Coreia do Norte e, tradicionalmente, seu principal apoio político, mas nos últimos meses aceitou a aprovação de duras sanções contra Pyongyang por parte do Conselho de Segurança da ONU.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos