Egito executa três cidadãos condenados por estupro por Tribunal Militar

Cairo, 11 jan (EFE).- Três civis egípcios foram enforcados nesta semana como culpados de um crime de estupro julgado por um Tribunal Militar em 2011, denunciou nesta quinta-feira a ONG Iniciativa Egípcia para os Direitos Pessoais.

Com estas três execuções, que aconteceram na terça-feira, aumenta para 22 o número de réus mortos pela Justiça em menos de um mês.

Segundo as famílias dos réus, dois homens foram acusados de estupro na cidade de Ismailiya, a 140 quilômetros do Cairo, e o terceiro de cumplicidade no crime.

Em 2011, o Tribunal Militar de Ismailiya sentenciou à forca os três e em abril o Superior Tribunal Militar confirmou a condenação, que foi executada na terça-feira.

Na sexta-feira passada, a ONU pediu ao Egito que reconsidere o uso da pena de morte depois que 20 pessoas foram executadas em um curto período de tempo após serem julgadas por Tribunais Militares e após terem sofrido aparentes desaparecimentos forçados e torturas.

Em 26 de dezembro, 15 homens condenados por um Tribunal Militar foram executados por terrorismo por terem matado em 2013 vários soldados na península do Sinai.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos