Putin diz que sabe quem organizou ataque com drones contra bases na Síria

Moscou, 11 jan (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, garantiu nesta quinta-feira que sabe quem organizou a tentativa de ataque com 13 aviões não tripulados contra a base aérea russa de Khmeimim e o porto de Tartus, na província de Latakia, no oeste da Síria.

"Sabemos quem são (os responsáveis) e quanto pagaram por esta provocação, (...) com a intenção de prejudicar os acordos alcançados" entre Rússia, Irã e Turquia para o cessar-fogo permanente na Síria, disse Putin em um encontro com os diretores dos principais meios de informação e agências de notícias da Rússia.

O presidente russo acrescentou que outro objetivo desse ataque era "destruir as relações (da Rússia) com Turquia e Irã".

"Concretamente, em relação a esses ataques, não há dúvida deque foram bem preparados. Sabemos onde e quando esses drones foram transferidos, camuflados como aparatos de fabricação caseira. Na realidade, eles têm elementos de alta tecnologia", denunciou o presidente russo.

O ex-chefe do Estado-Maior da Rússia, Viktor Bondarev, acusou os Estados Unidos de terem fornecido aos terroristas os aviões não tripulados com os quais estes tentaram bombardear as duas bases russas na Síria.

"Estou de acordo com os especialistas do Estado Maior que os elementos tecnológicos (encontrados nos drones) não podem ser fabricados de forma caseira", disse Putin nesta quinta-feira.

O presidente russo acrescentou que os aparelhos estavam dotados com sistemas de localização por satélite e de lançamento de projéteis de alta precisão.

Treze aviões não pilotados foram utilizados em uma tentativa de ataque na madrugada da última sexta-feira contra a base aérea Khmeimim e o porto de Tartus.

Sete desses drones foram destruídos pelos sistemas de defesa antiaérea, enquanto outros seis tiveram seu sinal interceptado pelos militares russos, que conseguiram fazer com que três deles aterrissassem e os outros três se chocassem contra o solo em uma área segura, longe das bases.

A análise dos três drones que os russos conseguiram fazer aterrissar demonstrou que os terroristas podem lançá-los de uma distância de 100 quilômetros.

Putin proclamou recentemente a "derrota completa" do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Síria e ordenou a retirada da maior parte das tropas russas presentes no país árabe.

Permanecerão na Síria as unidades militares que integram as bases de Tartus e Khmeimim, o centro de reconciliação e três batalhões da polícia militar encarregados de garantir a segurança nas áreas de distensão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos