Topo

Irã confirma morte de marinheiros de petroleiro acidentado na China

14/01/2018 09h12

Teerã, 14 jan (EFE).- O Irã descartou neste domingo a possibilidade de resgatar com vida os marinheiros do petroleiro iraniano que está afundando no Mar da China Oriental, após se chocar no último dia 6 de janeiro com um cargueiro, informou o responsável do comitê especial para o acompanhamento do acidente, Ali Rabii.

Rabii esclareceu que, apesar de todos os esforços, tampouco existe a possibilidade de encontrar os corpos dos falecidos, segundo afirmou a televisão estatal iraniana.

As equipes de emergência chinesas recuperaram ontem os corpos de dois dos 31 marinheiros desaparecidos após o acidente envolvendo o petroleiro iraniano "Sanchi", segundo indicou ontem o governo chinês.

Em um comunicado, o Ministério de Transportes chinês detalhou que os dois cadáveres foram achados em uma área da cobertura do navio que não está afetada pelas chamas e à qual se conseguiu chegar devido à mudança de direção do vento, que evitou que a fumaça tóxica atrapalhasse a equipe de salvamento.

A China conta com o apoio de unidades japonesas, sul-coreanas e iranianas nas operações de resgate dos 31 desaparecidos (29 iranianos e dois bengaleses).

O petroleiro iraniano colidiu no dia 6 de janeiro com o cargueiro "CF Crystal", registrado em Hong Kong, cujos 21 tripulantes, todos de nacionalidade chinesa, puderam ser resgatados.

O "Sanchi", registrado no Panamá, transportava 136.000 toneladas de petróleo condensado formado por uma mistura de hidrocarbonetos recuperados durante o processamento do gás natural.