Trump quer elevar cooperação com Cazaquistão em áreas estratégicas

Washington, 16 jan (EFE).- Os presidentes de Estados Unidos e Cazaquistão, Donald Trump e Nursultan Nazarbayev, mostraram interesse nesta terça-feira em reforçar a cooperação dos dois países em áreas de interesse estratégico, como o comércio bilateral, a mediação do conflito no Afeganistão e as tentativas de forçar a Coreia do Norte a não avançar em seu programa nuclear.

Trump se reuniu com Nazarbayev na Casa Branca, onde tiveram um almoço de trabalho em que concordaram em transformar a relação bilateral em uma "aliança estratégica fortalecida", com reuniões periódicas de alto nível, informou o escritório do presidente americano em comunicado.

"Hoje a nossa aliança estratégica com o Cazaquistão avançou", disse Trump em um pronunciamento a jornalistas, ao lado de Nazarbayev, na sala Roosevelt.

O Cazaquistão assumiu recentemente a presidência temporaria do Conselho de Segurança da ONU, e Nazarbayev destacou a Trump dois assuntos que serão prioritários nesta gestão: o conflito afegão e a não-proliferação nuclear.

"Provavelmente saberão que o Cazaquistão é um país que possuía o quarto maior arsenal nuclear do mundo, mas decidimos voluntariamente renunciar às armas nucleares", destacou Nazarbayev.

"Acredito que o Cazaquistão tem o direito moral de falar com os países que estão buscando armas nucleares. E, dessa forma, estamos falando com o Irã e falaremos com a Coreia do Norte. Acredito que o tema Coreia do Norte pode ser resolvido com nossa união aos esforços de Estados Unidos, China e Rússia", acrescentou.

Por sua vez, Trump definiu o Cazaquistão como um "valioso aliado" nos esforços dos EUA em "eliminar as armas nucleares da península coreana", e disse que os dois países estão "determinados a prevenir que o regime norte-coreano ameace o mundo com a devastação nuclear".

Quanto ao Afeganistão, Trump agradeceu ao líder cazaque por seu apoio à estratégia que delineou para o país e à sua promessa de "continuar proporcionando um apoio logístico crucial" à missão americana que lá acontece.

Nazarbayev se comprometeu a dar um "apoio adicional" à campanha dos Estados Unidos contra os talibãs e a "ampliar um programa para formar funcionários civis e da área de segurança afegãos no Cazaquistão", afirmou a Casa Branca em comunicado.

No plano econômico, Trump destacou o volume de investimentos americanos no Cazaquistão, como "enormes quantidades de dinheiro" de empresas como "General Electric e Boeing".

Apesar do superavit que os Estados Unidos têm na balança comercial com o Cazaquistão, Trump também estimulou o país centro-asiático a "implementar suas obrigações sob a Organização Mundial do Comércio e garantir práticas justas de trabalho", segundo a Casa Branca.

Por outro lado, Trump elogiou os planos de modernização da economia cazaque e falou sobre a possibilidade de negociar possíveis acordos sobre tecnologias espaciais e digitais, além de conversar com o Cazaquistão para evitar que sofra "danos imprevistos" devido às sanções americanas a outros países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos