Senador republicano compara Trump a Stalin por seus ataques à imprensa

Washington, 17 jan (EFE).- O senador republicano Jeff Flake criticou nesta quarta-feira com veemência o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por seus reiterados ataques à imprensa, e inclusive o comparou com o ditador soviético Joseph Stalin.

"Já não podemos combinar os ataques à verdade com o nosso silencioso consentimento. Já não podemos fazer vista grossa ou nos fazer de surdos a estes ataques contra as nossas instituições", disse Flake em seu discurso no Senado sobre o silêncio da sua bancada sobre a atitude de Trump.

"Um presidente americano que não pode ser criticado, que constantemente deve desviar e distorcer e distrair, que deve encontrar alguém a quem culpar, está traçando um caminho muito perigoso. E um Congresso que não atua como um controle sobre o presidente aumenta o perigo", insistiuo senador.

Flake também comparou os ataques de Trump aos veículos de imprensa com a retórica de Stalin e destacou as consequências a longo prazo caso o presidente continue questionando a verdade.

"Porque sem verdade nem uma fidelidade de princípios à verdade e aos fatos compartilhados, senhor presidente, a nossa democracia não durará".

"É um testemunho da condição da nossa democracia que o nosso próprio presidente use palavras infamemente pronunciadas por Joseph Stalin para descrever seus inimigos", acrescentou o Flake, embora apenas dois senadores democratas tenham aguardado para escutar seu discurso completo.

"Cabe apontar que tão carregada de malícia era a frase 'inimigo do povo', que inclusive Nikita Khrushchev proibiu seu uso, dizendo ao Partido Comunista Soviético que a frase tinha sido introduzida por Stalin com o propósito de 'aniquilar essas pessoas' que não estavam de acordo com o líder supremo", disse em alusão aos comentários de Trump, que chamou a imprensa de "inimiga do povo ".

Por sua vez, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, rejeitou o discurso do senador republicano e ironizou dizendo que achava "interessante" que essas palavras de ataque tenham vindo de um senador "que recentemente esteve defendendo o opressivo governo de Cuba".

O senador pelo Arizona foi um dos legisladores republicanos que trabalhou mais de perto na aproximação com Havana durante o governo de Barack Obama.

"Não está criticando o presidente porque é contra a opressão, está criticando porque aparece terrivelmente mal nas pesquisas", acrescentou Sarah em sua entrevista coletiva diária.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos