CIA reconhece estar por trás de algumas das sanções dos EUA à Venezuela

Washington, 23 jan (EFE).- O diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), Mike Pompeu, reconheceu nesta terça-feira que os serviços de espionagem americanos foram responsáveis por algumas das sanções aplicadas nos últimos meses contra o governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Durante um evento no American Enterprise Institute, em Washington, o moderador de uma conversa com o Pompeo pediu que ele citasse algumas situações que chamaram a atenção do presidente dos EUA, Donald Trump, nos relatórios elaborados pela CIA.

Pompeo não hesitou em usar o exemplo da Venezuela como um dos assuntos que Trump pediu mais informações.

"O presidente não estava satisfeito com a descrição da situação que tínhamos apresentado. Queria mais clareza em relação a alguns assuntos financeiros, como quem tinha o dinheiro", revelou.

De acordo com o diretor da CIA, Trump tinha especial interesse em saber as relações do governo de Maduro com as Forças Armadas da Venezuela. O presidente queria ter uma imagem mais completa da situação, por isso a agência elaborou uma série de relatórios.

"A segunda ou terceira rodada de sanções obedecia às nossas recomendações", reconheceu Pompeo.

Desde que chegou à Casa Branca, Trump intensificou a pressão sobre o governo da Venezuela com várias sanções econômicas individuais contra membros do Executivo de Maduro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos