Três supostos colaboradores dos atentados de Paris são julgados na França

Paris, 24 jan (EFE).- O Tribunal Penal de Paris julgará a partir desta quarta-feira três homens acusados de ter dado refúgio a Abdelhamid Abaaoud, suposto líder dos atentados jihadistas de 13 de novembro de 2015 em Paris.

Aparentemente, os réus esconderam Abaaoud no apartamento onde o terrorista foi morto pela polícia cinco dias após os ataques na França.

Este julgamento, que é o primeiro que envolve os atentados que deixaram 130 mortos, gerou uma grande expectativa por conta das 350 acusações particulares que foram apresentadas perante a Justiça.

O início da audiência pode, no entanto, ser afetado pelos protestos trabalhistas que ocorrem há semanas feita pelos funcionários de prisões.

Hoje mesmo, na prisão de Fresnes, de onde deveria sair para o Palácio de Justiça o principal acusado, Jawad Bendaoud, dezenas de vigilantes tentaram impedir sua transferência bloqueando as portas de acesso para manifestar suas reivindicações, mas não obtiveram sucesso.

Bendaoud, que pode ser condenado a até seis anos de prisão e 90 mil euros de multa, é acusado de ter escondido Abaaoud e outras duas pessoas que estavam com ele, sua prima Hasna Aït Boulahcen e Chakib Akrouh, em um apartamento em Paris.

O acusado foi detido durante a madrugada de 18 de novembro de 2015.

Pouco antes, em uma entrevista à rede de televisão "BFMTV", Bendaoud disse que não sabia que os ocupantes do apartamento eram terroristas; que ele se limitou a fazer um favor a seu conhecido Mohamed Soumah, outro que sentará no banco dos réus durante o processo.

Segundo a acusação, Bendaoud e Soumah - relacionado a Hasna Aït Boulahcen - não podiam ignorar que tratava-se de jihadistas, já que há conversas e mensagens de celulares interceptadas pelos investigadores.

O Tribunal Penal de Paris julga também o irmão de Hasna, Youssef Aït Boulahcen, conhecido por sua afinidade ideológica com o jihadismo e suspeito de saber da preparação dos atentados.

Alguns representantes das vítimas do atentado acreditam que os acusados sabiam mais do que reconheceram e que por isso deveriam sofrer maiores condenações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos