França contratará mil "cibersoldados" para conter ataques informáticos

Paris, 26 jan (EFE).- O Ministério da Defesa da França contratará nos próximos anos mil novos "cibersoldados", que se unirão aos três mil existentes, declarou o general que lidera o departamento de ciberdefesa (ComCyber), Olivier Bonnet de Paillerets, em uma entrevista publicada nesta sexta-feira no jornal "Libération".

De Paillerets detalhou que em 2017 foram detectados 700 ciberataques, que vão desde "incidentes menores" até alguns "críticos", e afirmou que é preciso uma "verdadeira mobilização" para detê-los e identificar quem estava por trás deles.

O general evitou apontar se algum Estado ou Estados são responsáveis pelos ataques e se limitou a dizer que essa é uma questão "muito complexa" que representa um "desafio" para todos os países.

De Paillerets destacou que estão sendo preparados os meios para que a França possa ser uma "potência e uma ciberpotência", e por isso o Ministério da Defesa contará com 1,6 bilhões de euros nos próximos seis anos.

O CyberCom também é encarregado de combater casos de "desinformação", como a propaganda jihadista do Estado Islâmico (EI), explicou o general.

O militar insistiu que seu departamento não realiza uma contrapropaganda e se limita a "denunciar" a situação em um tempo "extremadamente curto".

No próximo dia 12 de fevereiro, o Secretariado Geral da Defesa e da Segurança Nacional (SGDSN) publicará um manual estratégico de ciberdefesa que revelará mais detalhes sobre a resposta aos ciberataques.

Também no plano digital, o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou no início ano uma lei para lutar contra a proliferação de notícias falsas em períodos eleitorais, como as que ele mesmo sofreu durante sua campanha no ano passado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos