Irã continua a respeitar restrições internacionais do programa nuclear

Viena, 22 fev (EFE).- O programa nuclear iraniano se mantém sob os parâmetros pactuados em 2015 - para garantir que o país não desenvolva armas atômicas - e não violou os compromissos de produção de urânio ou de acesso dos inspetores às suas instalações, segundo confirmou nesta quinta-feira a OIEA.

A Organização Internacional de Energia Atômica (OIEA) afirma em relatório que tanto a quantidade de água pesada acumulada como o urânio enriquecido seguem abaixo dos limites aos quais o Irã se comprometeu.

"O Irã não enriqueceu urânio acima de 3,67%" de pureza, informou a OIEA, um nível no qual esse combustível atômico só pode ser utilizado para aplicações civis, e não militares.

Contudo, o Irã aumentou suas reservas de água pesada, de 114,4 toneladas registradas em novembro de 2017 até as 117,9 que a OIEA contabilizou em 11 de fevereiro.

A água pesada é produzida na usina de Arak, onde o Irã tinha planejado construir um reator com a capacidade de gerar plutônio, um material suscetível de alimentar armas atômicas, mas cujas obras seguem paralisadas, segundo o relatório ao qual a Agência Efe teve acesso.

Essa quantidade está abaixo das 130 toneladas estabelecidas como limite pelo acordo nuclear firmado com Alemanha, China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

"Ao longo do período sobre o qual se informa, as reservas totais de urânio enriquecido do Irã não excederam os 300 quilos de UF6 (hexafluoreto de urânio) enriquecido até 3,67%", afirmou a OIEA, certificando o cumprimento de outro dos compromissos.

O volume acumulado desse combustível nuclear chegou a 109,5 quilos no dia 12 de fevereiro, quase 13 a mais que em novembro.

Além disso, a OIEA informou que o governo de Teerã mantém limitado o número de centrífugas ativas, a maquinaria utilizada no enriquecimento de urânio.

No que se refere a medidas de transparência, o relatório diz que a OIEA seguiu recolhendo dados mediante mecanismos de monitoramento a distância e que o Irã está facilitando a estadia dos inspetores internacionais no país e o seu trabalho de controle.

O país segue aplicando o protocolo adicional do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), que permite inspeções sem aviso prévio.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos