Trump se mantém reticente a restringir venda de fuzis de assalto

Washington, 22 fev (EFE).- A Casa Branca reiterou nesta quinta-feira sua intenção de não proibir a venda de fuzis de assalto apesar de várias vozes nos Estados Unidos considerarem necessário limitar seu acesso, especialmente depois do tiroteio da semana passada em Parkland (Flórida) no qual morreram 17 pessoas.

"O que estamos buscando são soluções que não proíbam um tipo de arma de fogo a todas as pessoas, mas proíbam todas as armas para um determinado tipo de indivíduo que tenha sido identificado como uma ameaça", disse hoje o porta-voz adjunto da Casa Branca, Raj Shah.

Esta afirmação foi dada menos de 24 horas depois que tanto a bancada democrata do Senado da Flórida como um grupo de estudantes da escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, onde Nikolas Cruz cometeu seu massacre, pediram uma mudança legislativa que permita aumentar o controle à venda de armas.

"Não acreditamos que a resposta política imediata deva ser proibir toda uma classe de armamento", argumentou Shah.

O curioso é que, antes de começar sua carreira política, o agora presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu precisamente o controle da venda de armas de assalto no seu livro "The America We Deserve", publicado no ano 2000.

Nesse mesmo livro, Trump criticava que muitos republicanos "seguiam o caminho marcado pela Associação Nacional do Rifle (NRA) e rejeitavam até restrições limitadas para a compra de armas".

Questionado por esta radical mudança de postura, Shah se limitou a defender que durante a campanha eleitoral de 2016 Trump se mostrou contrário a proibir a venda de armas com caraterísticas militares e que, portanto, nesse sentido, o presidente "não mudou" de postura.

De fato, nesta mesma amanhã, o governante utilizou sua conta pessoal do Twitter para defender os líderes da NRA, os quais chegou a qualificar de "grandes patriotas", que foram alvo de numerosas críticas nas últimas horas devido à sua rejeição a aumentar o controle sobre a venda de armas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos