PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Grupo armado opositor duvida que trégua será respeitada em Ghouta Oriental

26/02/2018 14h18

Beirute, 26 fev (EFE).- O opositor Exército Livre da Síria (ELS) afirmou nesta segunda-feira que duvida que o regime da Síria e a Rússia vão respeitar a trégua anunciada por Moscou em Ghouta Oriental, o principal reduto rebelde nos arredores da capital Damasco, onde espera-se que, amanhã, entre em vigor uma "pausa humanitária".

"Os bombardeios (da Rússia e do exército sírio) não acabaram em Ghouta Oriental, portanto, uma trégua é impossível", declarou à Agência Efe pela internet o chefe da sala de operações do ELS em Damasco e arredores, Abu Zuheir al Shami.

O dirigente opositor afirmou que seus combatentes estão "na linha de defesa" e preparados para se defenderem.

Shami explicou que houve negociações "secretas" entre os insurgentes e a Rússia, por um lado, e com os Estados Unidos, por outro, sobre a situação na região.

O líder rebelde destacou que seus efetivos frustraram a ofensiva que seria lançada pelo regime sírio, comandadas pelo general Suheil Hassan, conhecido como "O Tigre", em Ghouta Oriental.

"A ofensiva do regime contra Ghouta Oriental foi abortada antes que começasse, porque, há muito tempo, o regime vem cavando túneis para introduzir seus combatentes" na região, afirmou Shami.

No entanto, "há uma semana, os revolucionários descobriram esses túneis e os dinamitaram, por isso a ofensiva do regime fracassou antes que começasse. Depois houve confrontos isolados, mas de pouca importância", acrescentou o líder rebelde.

Em consequência, as forças governamentais castigaram Ghouta Oriental com bombardeios, denunciou Shami, que não acredita que os ataques de seus adversários serão interrompidos.

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoygu, anunciou hoje uma pausa humanitária em Ghouta Oriental, que começará amanhã e que durará cinco horas a cada dia.

O grupo terrorista Estado Islâmico e o Organização de Libertação do Levante, a aliança do antigo braço sírio da Al Qaeda, ficaram de fora da trégua, mas a Rússia advertiu que isto se estende a "todas as organizações relacionadas com eles".

Shami garantiu que há "muito pouca" gente da Organização de Libertação do Levante em Ghouta Oriental, que não são mais "que 120 pessoas".

Internacional