PUBLICIDADE
Topo

Vídeo mostra suposto massacre de escravas sexuais feito por tropas japonesas

27/02/2018 09h53

Seul, 27 fev (EFE).- Um grupo de acadêmicos e pesquisadores sul-coreanos publicou nesta terça-feira um vídeo mostrando os corpos de várias mulheres que, ao que tudo indica, foram coreanas usadas como escravas sexuais pelas tropas japonesas e executadas em 1944.

O filme, de apenas 19 segundo e feito pelo Exército dos Estados Unidos, complementa materiais escritos e fotográficos que demonstrariam que o Exército do Japão assassinou cerca de 30 dessas mulheres na cidade chinesa de Tengchong, perto da fronteira com Mianmar, em 13 de setembro de 1944.

A equipe de pesquisa, da qual várias universidades sul-coreanas e o governo metropolitano de Seul fazem parte, encontrou as imagens no Arquivo Nacional dos Estados Unidos e publicou a descoberta hoje num fórum realizado na capital Coreia do Sul. O registro, feito em 15 de setembro de 1944, mostra uma pilha de corpos dentro de uma fossa e um soldado chinês ao lado deles.

Em 2016, a mesma equipe de especialistas publicou o diário de operações das tropas americanas e em uma de suas páginas estava escrito: "Noite de 13 (de setembro de 1944). Os japoneses dispararam contra 30 meninas coreanas na cidade (de Tengchong)". O diário também trazia uma foto na qual é possível ver a fossa, os corpos e o mesmo soldados chinês, que garantiu ter estado no local quando os corpos foram enterrados.

Documentos relacionados às tropas americanas usam termos como "mulheres de conforto" e "prostitutas" para se referir às jovens, que, provavelmente, foram usadas como "escravas sexuais" pelas tropas japonesas.

Os pesquisadores acreditam existiam de 70 a 80 mulheres para esssa função em Tenchong quando forças chinesas e americanas chegaram. Desse total, 23 foram capturadas como prisioneiras pelas tropas aliadas e acredita-se que as outras foram assassinadas pelo Exército Imperial japonês.

Calcula-se que, aproximadamente, 200 mil meninas e adolescentes - a maioria coreana - foram usadas como escravas sexuais pelas tropas japonesas, principalmente na China e na Península da Coreia, entre os anos 30 e o fim da II Guerra Mundial, em 1945.