Topo

Coreias tentarão desfilar juntas novamente nos Jogos Asiáticos

02/04/2018 09h06

Seul, 2 abr (EFE).- As duas Coreias se comprometeram nesta segunda-feira a trabalhar para desfilarem juntas novamente na cerimônia de abertura dos Jogos Asiáticos que acontecem entre agosto e setembro deste ano na Indonésia no contexto de aproximação que vivem os dois países.

O ministro dos Esportes norte-coreano, Kim Il-guk, e seu equivalente sul-coreano, Do Jong-whan, se comprometeram a continuar potencializando os intercâmbios esportivos entre os dois países, que tecnicamente ainda estão em guerra.

Do, que também é ministro da Cultura, está de visita em Pyongyang liderando uma delegação de músicos sul-coreanos que se apresentou no domingo na capital norte-coreana e voltará a fazê-lo na terça-feira.

Kim e Do se comprometeram a realizar reuniões para tratar de temas específicos de intercâmbio esportivo, entre eles a possibilidade de desfilar sob uma bandeira unificada na abertura dos Jogos Asiáticos, que começam no dia 18 de agosto em Jacarta e Palembang.

As Coreias desfilaram juntas este ano, pela primeira vez em 12 anos, na abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno que aconteceram no condado sul-coreano de PyeongChang em fevereiro.

Os Jogos foram a principal plataforma utilizada para impulsionar a aproximação e a troca de emissários entre Seul e Pyongyang.

Como resultado do degelo, as partes chegaram a um acordo para convocar duas cúpulas históricas para tratar da possível desnuclearização do regime norte-coreano.

Na primeira delas, o líder norte-coreano se reunirá em 27 de abril na fronteira entre ambos os países com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, o que representará o primeiro encontro intercoreano de líderes em 11 anos.

"Seria magnífico poder realizar reuniões de trabalho para tratar de acordos específicos após a cúpula de abril. Espero que o esporte possa abrir o caminho para a reconciliação intercoreana", disse Do nesta segunda-feira, conforme reportou a delegação de jornalistas sul-coreanos que também viajou a Pyongyang.

No contexto da mudança do panorama diplomático em torno da Península Coreana, Kim Jong-un realizará também em maio - em local e data que ainda serão determinados - uma cúpula com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, uma reunião histórica que será o primeiro encontro na história entre os líderes desses dois países. EFE

asb/rpr