Topo

Coreias atrasam para quinta-feira reunião preparatória de cúpula

03/04/2018 22h51

Seul, 4 abr (EFE).- As duas Coreias atrasaram em um dia a reunião que pretendiam realizar nesta quarta-feira (data local) para preparar a cúpula entre os dois países no final do mês, uma medida que foi tomada a pedido do Norte, segundo anunciou o Ministério de Unificação do Sul.

Delegações de Pyongyang e Seul realizariam nesta quarta uma nova reunião de trabalho na fronteira militarizada para concretizar detalhes de protocolo e segurança para o esperado encontro entre os seus líderes, que acontecerá nesse mesmo local.

No entanto, esta sessão preparatória foi adiada até quinta-feira por pedido do Norte, que não informou os detalhes deste atraso, segundo confirmou à Agência Efe um porta-voz do Ministério de Unificação sul-coreano.

O Norte também propôs a realização de outra reunião de trabalho no sábado para discutir o estabelecimento de uma linha telefônica direta entre o escritório de seu líder, Kim Jong-un, e o do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, com o objetivo de facilitar os preparativos para a cúpula, segundo o Ministério.

Seul e Pyongyang ainda não detalharam publicamente os conteúdos da agenda desta reunião, a primeira entre líderes das duas Coreias em 11 anos, e que representará também a primeira vez que um líder norte-coreano pisará no solo do Sul, uma vez que a cúpula acontecerá em um edifício da faixa sul da fronteira.

Do lado sul-coreano participarão da reunião de trabalho sete delegados liderados pelo secretário presidencial de protocolo, Cho Han-ki, enquanto o Norte ainda não confirmou a composição da sua comitiva de seis membros.

Também participará da reunião o diretor do centro de imprensa do escritório presidencial sul-coreano, Kwun Hyuk-ki, a fim de determinar como se administrará o fluxo de informação durante a cúpula.

A expectativa é que no encontro de quinta-feira se discutam detalhes como o percurso que Kim Jong-un fará para viajar para a zona desmilitarizada (DMZ), ou se este estará acompanhado pela sua esposa, Ri sol-ju, como aconteceu no seu deslocamento à China da semana passada, que representou a estreia diplomática do líder norte-coreano.