Topo

Caravana de imigrantes no México não se dissolveu apesar de pressões, diz ONG

04/04/2018 15h29

Cidade do México, 4 abr (EFE).- A caravana de imigrantes centro-americanos que percorre o México na última semana continua a avançar em direção aos Estados Unidos, apesar das informações sobre uma dispersão divulgadas pelo governo do país e das pressões feitas pelo presidente americano, Donald Trump.

"A caravana não se dispersou. Nós vimos a reação do governo do México e ficamos surpresos, porque todas as pessoas seguem aqui", afirmou Rodrigo Abeja, integrante da coordenação do Povo Sem Fronteiras, uma das ONGs que participa da caravana.

Trump disse ontem que o México dissolveu a caravana e se vangloriou de que isso só ocorreu após as ameaças feitas por ele de dissolver o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta).

Horas depois, o México respondeu que a política migratória do país não se "submete a pressões", mas afirmou que, como "era esperado", a caravana tinha começado a se dispersar por decisão própria de seus integrantes, sem pressões internas ou externas.

No entanto, organizadores e jornalistas na região confirmaram hoje que os imigrantes continuam em Matías Romerno no estado de Oaxaca. Segundo Abeja, 1.200 pessoas formam a caravana, a maioria delas de origem hondurenha.

A caravana começou no dia 25 de março em Tapachula, município do sudeste de Chiapas, com 1.500 imigrantes. Nos dias seguintes, cerca de 300 homens decidiu avançar, deixando os demais em Oaxaca.

"Seguimos unidos e com o propósito de seguir caminhando mais fortes do que nunca", afirmou o integrante do Povo Sem Fronteiras.

Até o momento, segundo Abeja, o governo do México tratou bem os imigrantes, em parte, acredita ele, pela pressão dos jornalistas que acompanham a caravana ao longo do país.

Os imigrantes esperam chegar nos próximos dias ao estado de Puebla e, na sequência, à Cidade do México. Mais tarde, em um grupo muito mais reduzido, eles devem partir para Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos.