Trump autorizará hoje atuação da Guarda Nacional na fronteira com o México

Washington, 4 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinará nesta quarta-feira um decreto para que os Departamentos de Defesa e Segurança Nacional atuem em parceria com os estados para posicionar militares da Guarda Nacional na fronteira com o México.

"É tempo de agir", disse a secretária de Segurança Nacional, Kristjen Nielsen, ao anunciar na Casa Branca que Trump deve assinar hoje essa ordem.

A titular de Segurança Nacional expressou seu desejo de que a atuação comece "imediatamente" e disse que está em contato com os governadores, que são os que têm competência sobre o corpo de reservistas da Guarda Nacional, embora o presidente dos EUA possa pedir sua assistência em certas situações.

"Faremos isso tão rapidamente quanto seja possível", destacou Nielsen.

Sobre o número de guardas convocados, Nielsen afirmou que serão "tantos quanto sejam necessários" para poder fechar as "fissuras" que, segundo sua opinião, existem no atual sistema migratório e permitem a chegada através da fronteira de imigrantes, drogas e criminosos.

O governo americano sustenta que houve um aumento de chegadas à fronteira, mas em 2017 as detenções no limite com o México caíram ao seu nível mais baixo desde 1971, segundo dados oficiais.

Mesmo assim, Nielsen apontou o aumento das solicitações de asilo como uma das causas que motivaram a ideia de acionar a Guarda Nacional.

Nesse sentido, argumentou que, antes de 2013, um de cada cem imigrantes dizia ter um medo crível por sua vida, mas agora esse número passou a ser um de cada dez imigrantes.

Nielsen denunciou que existe "fraude" sobre esses pedidos de asilo e que os traficantes de pessoas ensinaram os imigrantes a dizer essas "palavras mágicas", porque sabem que o sistema migratório dos Estados Unidos está obrigado a dar-lhes asilo se sua vida corre perigo.

Por último, Nielsen se dirigiu ao Congresso, o único com poder para mudar as leis migratórias dos EUA, e pediu recursos suficientes para construir o muro na fronteira com o México, assim como o fim de políticas como "catch and release" ("pegar e soltar").

Essa política permite aos agentes fronteiriços liberar os imigrantes que pegam na fronteira com a ideia de que, se não representam um perigo para a segurança dos Estados Unidos, podem permanecer em liberdade enquanto esperam um julgamento migratório que examine sua deportação.

A Casa Branca anunciou esta semana que está preparando uma nova proposta de lei sobre imigração, embora ainda não tenha dado detalhes sobre o conteúdo desse plano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos