Angola recupera US$ 500 milhões desviados por filho do ex-presidente

Nairóbi, 9 abr (EFE).- Angola recuperou US$ 500 milhões desviados por um esquema que contou com participação de José Filomeno dos Santos, filho do ex-presidente José Eduardo dos Santos e ex-responsável do Fundo Soberano angolano, informou nesta segunda-feira o Ministério das Finanças do país africano.

Em comunicado, o ministério explicou que uma empresa financeira que contava com a participação do filho de Dos Santos propôs um fundo de investimento que mobilizaria US$ 35 bilhões para financiar projetos estratégicos e US$ 300 milhões semanais para o mercado cambial interno.

Para isso, a companhia, Mais Financial Services, requisitou uma injeção de capital de US$ 1,5 bilhão por parte das autoridades angolanas, assim como outros 33 milhões de euros para as estruturas de financiamento.

Entre julho e agosto de 2017, as autoridades abonaram 24,8 milhões de euros e transferiram US$ 500 milhões para uma conta em Londres que pertencia a um suposto intermediário contratado que, na realidade, não tinha nenhum histórico de operações relacionadas com o mercado financeiro e de investimentos.

Diante das dúvidas, o ministro das Finanças e outros integrantes do alto escalão do Executivo se deslocaram para a capital britânica, onde confirmaram que a operação era fraudulenta e que, ao contrário do que prometiam, a Mais Financial Services e sua intermediária não contavam com nenhum tipo de apoio de bancos internacionais.

Apesar de não ter sido possível recuperar o dinheiro em um princípio, pois as autoridades britânicas também investigavam o caso, o Ministério de Finanças confirmou que o Banco Nacional Angolano (BNA, banco central) já recuperou US$ 500 milhões.

No entanto, ainda não foi possível recuperar os 24,8 milhões de euros oferecidos à companhia, por isso o processo continua em andamento.

No esquema também estaria envolvido o então governador do BNA, Valter Filipe, que, junto com José Filomeno dos Santos, foi acusado pela promotoria de crimes como fraude, desvio de recursos públicos, associação criminosa, tráfico de influência e lavagem de dinheiro.

José Eduardo dos Santos deixou o poder em setembro de 2017, após 38 anos no cargo, no qual foi substituído por seu ministro da Defesa, João Lourenço.

Em um princípio, os especialistas indicaram que Dos Santos tinha blindado seu pessoal de confiança, entre os quais estavam seu filho José Filomeno e sua filha Isabel, que dirigiu até há alguns meses a companhia petrolífera estatal Sonangol.

No entanto, Lourenço iniciou uma campanha anticorrupção que acabou com a maioria de aliados de Dos Santos em postos-chave, como os chefes da polícia e do serviço de inteligência.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos