EUA pedem nova votação de resolução sobre uso de armas químicas na Síria

Nações Unidas, 10 abr (EFE).- Os Estados Unidos pediram nesta terça-feira ao Conselho de Segurança da ONU para votar na tarde de hoje um projeto de resolução que prevê a instalação de um novo mecanismo para investigar o uso de armas químicas na Síria.

Fontes na ONU confirmaram à Agência Efe que a missão americana pediu que a reunião ocorra às 15h locais (16h em Brasília).

A Rússia afirmou ontem que considera que a proposta americana contém "elementos inaceitáveis". Por isso, a expectativa é que o Kremlin utilize seu direito de veto para barrar a resolução.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, anunciou que deve apresentar ao Conselho de Segurança uma resolução para conceder acesso aos especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) ao local do suposto ataque químico na cidade síria de Duma.

Segundo diplomatas de vários países, a Rússia ainda não apresentou essa proposta aos membros do Conselho de Segurança. A resolução anterior não convenceu as potências ocidentais.

O Conselho de Segurança está há meses discutindo a questão. Em novembro do ano passado, a Rússia vetou a continuidade de um mecanismo conjunto da ONU e da Opaq, conhecido pela sigla JIM, que tinha como objetivo investigar o uso de armas químicas na Síria.

O Kremlin alegou que o mecanismo era parcial e não tinha credibilidade. Um relatório da JIM acusou o regime de Bashar al Assad de ser responsável por ataques químicos realizados no país.

As discussões voltaram à tona nesta semana após o suposto ataque químico a Duma. Os EUA e aliados responsabilizam Al Assad pelo incidente. A Rússia afirma que a ação foi uma montagem para prejudicar os aliados sírios.

O presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu ontem responder "contundentemente" ao suposto ataque. Hoje, a Casa Branca informou que Trump não viajará para Cúpula das Américas, no Peru, para supervisionar a resposta americana à Síria.

Há cerca de um ano, os EUA bombardearam uma base militar síria como reação a um suposto ataque químico na cidade de Khan Sheikhoun.

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, pediu ontem que o Conselho de Segurança desse uma resposta para o caso. A diplomata deixou claro que os EUA estão dispostos a atuar por conta própria se a Rússia vetar uma resolução dentro das Nações Unidas.

A proposta de resolução americana, obtida pela Efe, condena o suposto ataque em Duma e propõe o envio de um outro grupo de especialistas internacionais para a Síria. O Mecanismo de Investigação Independente das Nações Unidas (Unimi), similar ao JIM, teria mandato de um ano, com possibilidade de extensão.

O objetivo do Unimi seria identificar indivíduos, entidades, grupos ou governos que tiveram algum envolvimento no uso de armas químicas na Síria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos