Topo

Seul diz que não tratará dos direitos humanos na cúpula com Pyongyang

11/04/2018 05h40

Seul, 11 abr (EFE).- O governo da Coreia do Sul afirmou, nesta quarta-feira, que o tema dos direitos humanos não será tratado na cúpula com Pyongyang que será realizada no final do mês, já que a agenda desta reunião será a desnuclearização do Norte.

Desta forma, Seul descartou que a situação dos direitos humanos no país vizinho seja discutida entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, indo contra a reivindicação feita ontem por mais de 40 ONGs de todo o mundo, entre elas Anistia Internacional (AI) e Human Rights Watch (HRW).

O governo sul-coreano considera que a desnuclearização é "o assunto mais urgente" a ser tratado na cúpula, segundo disse um alto funcionário do gabinete presidencial em entrevista à agência local "Yonhap".

A mesma fonte afirmou que a questão dos direitos humanos também é considerada "importante" por Seul, embora tenha decidido priorizar a desnuclearização e estabelecimento da paz na península coreana.

Em carta enviada a Moon na véspera, ONGs internacionais exigiram que as conversas do próximo dia 27 conduzam a uma melhoria na "terrível situação dos direitos humanos no país".

Por sua vez, a Casa Branca contempla que a questão dos direitos humanos seja discutido na outra cúpula prevista para o final de maio, entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e Kim Jong-un.