Equador declara 4 dias de luto nacional por assassinato de jornalistas

Quito, 13 abr (EFE).- O presidente do Equador, Lenín Moreno, declarou quatro dias de luto nacional, após confirmar nesta sexta-feira o assassinato da equipe do jornal "El Comercio", que permanecia sequestrada desde o último dia 26 de março.

O luto se estende também aos quatro militares mortos em ataques de grupos ilegais em uma área da província litorânea de Esmeraldas, na fronteira com a Colômbia, onde se concentrou a atuação de certos grupos criminosos, entre eles a chamada Frente Oliver Sinisterra, integrado por dissidentes das Farc e a qual foi atribuído o assassinato dos jornalistas.

"Em honra a nossos setes irmãos falecidos decretei luto nacional os dias 13, 14, 15 e 16 de abril", escreveu Moreno em sua conta no Twitter.

O presidente equatoriano oficializou o luto por meio de um decreto executivo no qual considera que seu país "atravessa momentos de consternação e dor por ter se confirmado a informação sobre a morte dos três jornalistas equatorianos Efraín Segarra Abril, Paúl Rivas Bravo e Jaime Ortega Reyes".

"Além disso, a nossa pátria se encontra afligida pela lamentável e irreparável perda de nossos valorosos membros das forças armadas equatorianas, por causa destes indesejáveis atos de violência", acrescenta o decreto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos