SIP expressa preocupação por destino de jornalistas equatorianos sequestrados

(Corrige primeiro parágrafo)

Medellín (Colômbia), 13 abr (EFE).- A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) expressou nesta sexta-feira sua "preocupação" com o destino da equipe jornalística do jornal equatoriano "El Comércio" sequestrada no mês passado na fronteira com a Colômbia, ao inaugurar hoje a reunião de metade do ano realizada em Medellín.

"Estamos prontos para fazer o máximo que pudermos para salvaguardar a integridade destes jornalistas", disse o presidente da SIP, Gustavo Mohme, diretor do jornal peruano "La República", ao abrir a reunião, que se estenderá até domingo.

Mohme afirmou que para a SIP é "um tema sensível" a situação do jornalista Javier Ortega, de 36 anos; do fotógrafo Paúl Rivas, de 45, e do motorista Efraín Segarra, de 60, sequestrados em 26 de março na zona de Mataje, na província de Esmeraldas (Equador), por um grupo dissidente da antiga guerrilha das "Farc".

O presidente da SIP manifestou "a preocupação que representa para a nossa instituição a situação de nossos colegas equatorianos Javier Ortega, Paúl Rivas e Efraín Segarra, sequestrados através da força por um grupo narcoterrorista que de alguma maneira ameaçam suas vidas".

"Não desistiremos até conseguirmos sua libertação. Insistiremos perante os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos, e do Equador, Lenín Moreno, a quem há poucos dias enviámos uma carta expressando a preocupação e disposição da SIP para contribuir para sua pronta libertação", acrescentou.

A declaração da SIP ocorre em um momento de incerteza pelo destino da equipe do jornal, depois que ontem foram divulgadas fotografias dos supostos corpos sem vida dos sequestrados.

"Estamos em meio à incerteza de (saber) o que pode ter acontecido com nossos colegas jornalistas no Equador. Pedimos a Deus que isto se resolva da melhor maneira possível", manifestou o presidente do jornal "El Colombiano", Luis Miguel De Bedout.

À situação dos jornalistas equatorianos também se referiu na reunião da SIP o prefeito de Medellín, Federico Gutiérrez, que afirmou que se vive "momentos de expectativa, tensão e tristeza em torno dos três sequestrados no Equador".

"A única coisa que queremos é que todos apareçam com vida, isso é o que queremos. A América Latina e o mundo precisam resolver esta situação (sequestro)", afirmou.

O presidente do Equador deu ontem à noite um prazo de 12 horas para que os sequestradores dêem provas de vida dos três integrantes da equipe jornalística, pois se não houver ordenará uma intervenção contundente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos