Topo

Maduro diz que reunião de Lima pode representar "fim da Cúpula das Américas"

15/04/2018 15h50

Caracas, 15 abr (EFE).- O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou neste domingo que acredita que a 8ª Cúpula das Américas, realizada na sexta-feira e no sábado em Lima e para a qual teve seu convite retirado, pode representar "o fim" dessas reuniões, por considerar que há uma "intolerância ideológica e política".

"Eu acredito que a Cúpula de Lima já começa a ser o que poderia ser o fim das cúpulas das Américas pela intolerância ideológica, a intolerância política", disse Maduro ao sair de uma reunião com o presidente da Bolívia, Evo Morales, que visitou hoje o país caribenho.

"Como propôs o nosso irmão Rafael Correa em uma oportunidade na Cúpula do Panamá, a Cúpula das Américas deveria ser o espaço para o encontro do norte e do sul. Da América do Norte, Canadá, Estados Unidos, conosco, os latino-americanos e caribenhos", acrescentou.

O presidente venezuelano, que assegurou que Morales lhe trouxe "muitas saudações" de Lima, indicou que a Cúpula das Américas deveria ser um fórum "para cooperar, para compartilhar, mas parece que ficou parada no tempo".

Nesse sentido, pediu que se intensifique "a irmandade, o trabalho e a cooperação entre os povos".

Segundo Maduro, a cúpula realizada em Lima não teve "conclusões", nem propostas ou decisões.

Maduro já tinha dito ontem que a Cúpula das Américas foi um "total fracasso" e criticou o presidente Michel Temer e seus homólogos da Colômbia, Juan Manuel Santos, e da Argentina, Mauricio Macri, por pronunciar-se sobre a crise e as eleições presidenciais da Venezuela que acontecerão no próximo dia 20 de maio.