Topo

Rebeldes do Sudão do Sul libertam sete colaboradores sequestrados

16/04/2018 07h56

Juba, 16 abr (EFE).- A oposição armada leal ao ex-vice-presidente do Sudão do Sul Riek Machar anunciou nesta segunda-feira a liberdade de sete colaboradores sequestrados no final de março da zona de Lanya (sul do país), acusados de "espionar para o Governo".

Um porta-voz desta organização, Lam Paul Gabriel, afirmou à Agência Efe em Yuba que os membros da Associação Sanitária no Sudão do Sul foram postos em liberdade.

Os colaboradores foram entregados a uma delegação do Escritório de Coordenação Humanitária para a ONU (OCHA) em uma zona fronteiriça entre o Sudão do Sul e Uganda.

O mesmo porta-voz comentou que este gesto ocorreu "apesar de a oposição saber que dois deles trabalham como espiões a favor do regime governante em Juba".

A oposição armada leal a Machar, exilado na África do Sul, assegurou em 11 de abril que tinha sequestrado sete cooperadores sul-sudaneses após receber informação que "espionaram para o Governo".

No dia 10, a ONU anunciou que um colaborador de uma organização católica morreu três dias antes na zona norte do país durante um tiroteio contra o carro em que viajava.

No Sudão do Sul, cerca de 98 trabalhadores humanitários morreram desde dezembro de 2003, segundo as últimas estatísticas da ONU.