Violência deixa milhares de deslocados no Sudão do Sul, segundo ONU

Juba, 27 abr (EFE).- A explosão há duas semanas de novos enfrentamentos em várias áreas do Sudão do Sul, entre forças governamentais e a oposição armada, forçou a fuga de milhares de pessoas, segundo a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS).

Vários civis buscaram refúgio em áreas pantanosas e de floresta e pelo menos 600 pessoas chegaram ao acampamento de deslocados de Leed, no estado de Unidade, segundo um comunicado divulgado hoje.

A ONU se viu obrigada a evacuar 30 trabalhadores humanitários das áreas afetadas pelos novos enfrentamentos, situadas nos estados de Juncáli e Equatória Central, além de em Unidade.

O diretor da UNMISS, David Shearer, denunciou que "vários civis inocentes, entre eles mulheres, menores de idade e idosos, foram alvo dos disparos".

Além disso, Shearer destacou que ocorreram assassinatos de civis, estupros de mulheres, roubos de escolas, hospitais e de gado e a queima premeditada de casas.

Shearer ressaltou que este ressurgimento da violência "está causando um grande sofrimento aos civis" e que afeta "a capacidade de proporcionar ajuda humanitária".

Além disso, pediu às partes beligerantes que cessem os enfrentamentos e que velem pelos interesses dos civis.

O país africano é palco de um conflito civil desde dezembro de 2013, quando o presidente Salva Kiir acusou seu vice-presidente, Riek Machar, pertencente a outra etnia, de orquestrar um golpe de Estado para derrubá-lo.

Apesar de ambas partes terem assinado um acordo de paz em agosto de 2015, o conflito recomeçou em julho de 2016 e deixou milhares de mortos, milhões de deslocados e uma crise de fome em várias regiões do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos