Topo

Bicampeão olímpico no taekwondo e irmão são denunciados por tráfico sexual

08/05/2018 19h55

Austin (EUA), 8 mai (EFE).- O bicampeão olímpico de taekwondo Steven López e o seu irmão e treinador, Jean, foram denunciados à Justiça americana por quatro lutadoras por tráfico sexual e conduta inadequada e já estão suspensos pela federação dos Estados Unidos da modalidade (USA TKD).

A denúncia foi feita por Heidi Gilbert, Mandy Meloon, Amber Means e Gaby Joslin, que também processaram o Comitê Olímpico dos EUA (Usoc) e a USA TKD.

Steven, de 39 anos, é o maior taekwondista da história do país, com duas medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, em Sydney 2000 e Atenas 2004, e uma de bronze, em Pequim 2008, além de ter sido pentacampeão mundial entre 2001 e 2009.

O atleta vem tendo como treinador principal ao longo de carreira o irmão mais velho, Jean. A dupla começou a trajetória em um centro de treinamento em Houston, no Texas, onde estabeleceu residência.

Pela reputação, ambos faziam parte da USA TKD há duas décadas, período em que, segundo a denúncia apresentada um tribunal do Colorado, protagonizaram vários episódios de abuso sexual.

No processo, as quatro lutadoras afirmam que muito tempo, tanto o Usoc quanto a federação protegeram Steven López "devido a suas medalhas e ao lucro comercial" que fornecia em decorrência de suas conquistas.

Em comunicado à imprensa, a USA TKD anunciou a suspensão imediata dos irmãos, feita pelo US Center for SafeSport (Centro dos Estados Unidos para o Esporte Seguro, em livre tradução).

As quatro taekwondistas advertiram que a própria federação é responsável, já que, segundo elas, os dirigentes foram coniventes e não atuaram para impedir os abusos.

Mandy Meloon, campeã pan-americana em 1996 e dona de duas medalhas de bronze em mundiais, já tinha denunciado os López em 2006. Ela se disse feliz com a suspensão de ambos, mas ressaltou que a medida deveria ter sido adota antes e que agora eles "terão de responder pelos crimes no tribunal".

As taekwondistas querem que o caso seja julgado como tráfico sexual porque, na versão delas, a maioria das situações de abuso ocorreu durante torneios internacionais que equipe americana disputava fora do país.

Outra atleta, Nina Zampetti, que começou a treinar com os acusados quando tinha 8 anos, já havia denunciado que quando tinha 14 foi obrigada a fazer sexo oral em Steven, então com 22.

O US Center for SafeSport informou que o bicampeão olímpico estava sujeito a restrições provisórias desde 19 de junho de 2017, embora tenha disputado o Mundial, no mesmo mês, e o Aberto dos EUA, neste ano.

Além disso, em entrevista ao jornal "Houston Chronicle" concedida antes da suspensão definitiva, Steven declarou que estava se preparando para obter uma vaga nos Jogos de 2020, em Tóquio.