Justiça paraguaia bloqueia contas vinculadas ao doleiro Dario Messer

Assunção, 9 mai (EFE).- O Ministério Público do Paraguai bloqueou nesta quarta-feira as contas bancárias vinculadas aos quatro acusados ontem no país por lavagem de dinheiro, entre eles Dario Messer, conhecido como o "maior doleiro do Brasil", seu filho e um primo do presidente Horacio Cartes, disse à Agência Efe a promotora Rocío Cantero.

Os imputados, além de Dario Messer, que conta com uma ordem de captura internacional, são Dan Messer, Juan Giménez Viveros - primo de Cartes - e Adolfo Granada Cubilla.

"Os ofícios já foram diligenciados, inclusive o ofício da superintendência de bancos que é distribuído a todos os bancos para que bloqueiem outras contas cujos números e nomes não temos conhecimento", explicou Cantero.

A promotora indicou que, até ao momento, são conhecidas as contas de um dos acusados em dois bancos, um deles o estatal Banco de Fomento.

Giménez Viveros tentou retirar na terça-feira uma quantidade de dinheiro desse banco, mas acabou deixando o local quando foi identificado.

A representante do Ministério Público enfatizou que todos os acusados já contam com uma ordem de captura e que, até ao momento, nenhum deles se apresentou à Justiça paraguaia.

O MP suspeita que os acusados teriam utilizado fundos provenientes das operações de Messer no Brasil e relacionadas com crimes como corrupção passiva, pagamento de propina e associação criminosa.

Os crimes teriam sido cometidos presumivelmente através das empresas Matrix S.A., Chai S.A., Pegasus S.A. e Agromonte S.A., das quais os acusados eram acionistas. Utilizando essas companhias, os investigados teriam realizado operações irregulares por um montante superior a US$ 40 milhões.

Messer segue foragido uma semana depois que foi iniciada uma operação de captura internacional no Paraguai, no Brasil e no Uruguai, que resultou em 33 detenções nesses dois últimos.

A operação internacional tinha como foco um grupo de doleiros do Brasil que, segundo a delação de dois acusados, conseguiu movimentar US$ 1,6 bilhão em 52 países de forma ilícita.

De acordo com as investigações da Justiça brasileira, Messer recebia 60% dos benefícios das operações de câmbio, pois era o responsável por contribuir com recursos e dar lastro às operações. EFE

cpa/rpr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos