Palestina chama para consultas embaixadores em quatro países europeus

Jerusalém, 16 mai (EFE).- A Autoridade Nacional Palestina (ANP) chamou nesta quarta-feira para consultas os seus embaixadores em quatro países europeus - Áustria, República Tcheca, Hungria e Romênia - depois que os representantes dessas nações participaram do evento de celebração da mudança da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, declararam à Agência Efe fontes oficiais em Ramala.

"Chamamos para consultas nossos embaixadores em Romênia, República Tcheca, Hungria e Áustria, todos eles membros da União Europeia. Damos este passo depois que os embaixadores desses países em Tel Aviv participaram das celebrações israelenses pela inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém", declarou a vice-ministra para Assuntos Europeus do Ministério das Relações Exteriores palestino, Amal Jadou.

"Estimamos muito nossas relações com todos os membros da União Europeia. Essas relações estão baseadas no compromisso com a lei internacional, com as resoluções das Nações Unidas e os direitos humanos. Consideramos que a participação nesse evento contradiz esses valores", afirmou Jadou em comunicado.

"Transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém não foi apenas um ato hostil contra o povo da Palestina, quando lembramos os 70 anos da Nakba (catástrofe em árabe, como os palestinos chamam a criação do Estado de Israel), mas também uma violação da lei internacional, em particular da resolução 478 do Conselho de Segurança da ONU", acrescentou a vice-ministra.

O Ministério das Relações Exteriores da ANP considera que a participação dos representantes europeus no evento representa "uma grave violação do direito internacional e das várias resoluções das Nações Unidas que afirmam que a cidade de Jerusalém está ocupada desde 1967 e impede que os Estados transfiram suas embaixadas para lá", informou a agência nacional palestina "Wafa".

Os embaixadores serão consultados sobre as posições desses países em relação à Palestina e seu "grau de compromisso com as posições da União Europeia", que garantiu que seus Estados-membros não transferirão suas embaixadas para Jerusalém.

Nesta semana, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, ordenou também a saída dos Estados Unidos do chefe do escritório da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Washington, o embaixador Husam Zamlat.

O evento de domingo, liderado pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, foi uma comemoração da mudança da máxima representação diplomática americana, que aconteceu no dia seguinte, e a ela compareceram metade dos 80 embaixadores e encarregados de negócios que foram convidados.

Entre os europeus, só compareceram os representantes dos quatro países dos quais a Palestina chama agora para consultas os seus embaixadores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos