Filipinas suspende proibição de enviar trabalhadores ao Kuwait

Manila, 17 mai (EFE).- As autoridades das Filipinas anunciaram nesta quinta-feira a suspensão formal da proibição de enviar trabalhadores ao Kuwait, como tinha declarado o presidente do país, Rodrigo Duterte, no começo de abril.

O secretário de Trabalho filipino, Silvestre Bello, disse à imprensa em Manila que assinou a ordem e acrescentou que a decisão provém do próprio Duterte, segundo a rede de televisão "ABS-CBN".

Os governos de ambos países assinaram no último dia 11 um memorando para normalizar as relações.

O acordo contempla a criação de um comitê misto que proporá iniciativas e garantirá que os filipinos no Kuwait não serão explorados e que receberão alojamento, roupa e comida decente, entre outras coisas.

Cerca de 260 mil filipinos trabalham no emirado, 65% deles como empregadas do lar, segundo dados oficiais da Filipinas.

As relações entre ambas nações começaram a se deteriorar em fevereiro, quando foi encontrado o corpo da filipina Joanna Demafelis, de 29 anos e que estava um ano desaparecido, no congelador da casa de seus empregadores no Kuwait.

Desde então, as relações bilaterais passaram por altos e baixos, como quando Duterte transformou em permanente a proibição de enviar trabalhadores à nação árabe ou quando o Kuwait expulsou o embaixador filipino, Renato Villa.

Em 1 de abril, um tribunal penal kuwatiano condenou à morte um libanês e a sua esposa síria pela morte de Demafelis.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos