PUBLICIDADE
Topo

Pyongyang mostrará fechamento de base nuclear em meio a dúvidas sobre cúpula

23/05/2018 00h12

Seul, 23 mai (EFE).- A Coreia do Norte deve mostrar entre esta quarta e sexta-feira, o desmantelamento do seu centro de testes nucleares para um reduzido grupo de jornalistas estrangeiros, em meio a dúvidas sobre a realização da cúpula entre Washington e Pyongyang.

O regime liderado por Kim Jong-un anunciou a realização de um evento, que dever acontecer amanhã ou sexta-feira, onde mostrará a demolição da base de Punggye-ri, localizada no nordeste do país e onde realizou seus seis testes atômicos.

A data exata do ato dependerá das condições meteorológicas, segundo anunciou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, que convidou um grupo de jornalistas da Coreia do Sul, China, Rússia, Estados Unidos e Reino Unido para cobrir o evento.

Pyongyang se comprometeu em realizar um "desmantelamento público" do seu centro atômico entre os dias 23 e 25, após a cúpula realizada no final do mês passado entre seu líder e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, onde concordaram em trabalhar para conseguir a "desnuclearização completa" da península coreana.

A demolição de Punggye-ri é interpretada como um gesto da Coreia do Norte para demonstrar sua real vontade em abandonar seu programa atômico, antes da reunião entre Kim Jong-un e o presidente americano, Donald Trump, embora a opacidade em torno do evento levanta dúvidas sobre as verdadeiras intenções do fechado regime.

Muitos analistas têm criticado que a Coreia do Norte não convidou especialistas internacionais em armamento atômico, como proposto por Seul, o que teria permitido obter mais informações sobre os testes atômicos realizados em Punggye-ri e o estado destas instalações.

Acredita-se que 20 jornalistas convidados vão testemunhar a demolição dos túneis subterrâneos onde tais testes foram realizados por duas plataformas de observação construídas recentemente na base, segundo publicou hoje, o site especializado "38North", a partir de fotos tomadas por satélite.

O grupo de jornalistas internacionais que viajaram hoje para o Norte e juntam aos oito repórteres sul-coreanos, a quem as autoridades norte-coreanas finalmente permitiram entrar no país, após negar o acesso deles na véspera, segundo confirmou à Agência Efe com o Ministério da Unificação de Seul.

Este atraso na viagem de jornalistas sul-coreanos sugere que o desmantelamento público ocorrerá na quinta ou sexta-feira.

O ato acontecerá a menos de três semanas do encontro entre Trump e Kim Jong-un, que parece estar ameaçado desde que Pyongyang falou da possibilidade de cancelá-lo devido às pressões da Casa Branca para impor um modelo de desnuclearização "unilateral", e depois que o presidente americano apontasse para seu possível atraso.