Dinamarca obrigará crianças marginalizadas a estudarem sobre costumes do país

Copenhague, 28 mai (EFE).- O governo da Dinamarca apresentou nesta segunda-feira um acordo político para obrigar crianças de áreas marginalizadas com alta concentração de imigrantes a estudarem 25 horas semanais sobre tradições e leis do país nórdico desde que completarem um ano de idade.

A oferta educativa, que durará até os três anos de idade e será dirigida a crianças que não estão matriculadas na creche, pretende introduzi-las "através de jogos e atividades" aos valores da sociedade dinamarquesa, como a democracia e a igualdade, e tradições como Natal e Páscoa, para evitar que cresçam em "sociedades paralelas".

Se os pais não matriculares os filhos ou não participarem das atividades planejadas, que pretendem reforçar também o domínio do idioma dinamarquês, se arriscarão a perder o cheque infantil que todas as famílias com crianças residentes na Dinamarca recebem a cada trimestre.

"Os primeiros mil dias são os mais importantes na vida de uma criança. Não é satisfatório que as crianças tenham mais de dois anos de atraso quando chegam à escola", declarou a ministra de Assuntos Sociais dinamarquesa, a conservadora Mai Mercado.

As autoridades municipais terão a função de decidir como repartir as horas de ensino a cada dia e de habilitar creches especiais nos 55 complexos residenciais marginalizados com cerca de 100 mil pessoas que o governo identificou há alguns meses.

Para receber esse rótulo de zona marginalizada é necessário que o local atenda a vários requisitos relacionados com a situação trabalhista, renda e composição étnica (pelo menos 50% de imigrantes ou descendentes de países não ocidentais) de seus residentes.

A iniciativa conta com apoio político suficiente, já que o governo liberal-conservador em minoria é respaldado pelos dois partidos com mais representação parlamentar: o islamofóbico Partido Popular Dinamarquês e o Partido Social-Democrata.

O acordo completa o plano contra os "guetos" apresentado em março passado pelo governo do liberal Lars Lokke Rasmussen, que inclui várias medidas polêmicas, como duplicar as penas para crimes cometidos em zonas marginalizadas e forçar um maior equilíbrio étnico em casas e escolas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos