Justiça argentina determina que morte do promotor Nisman foi um homicídio

Buenos Aires, 1 jun (EFE).- A Câmara Federal da Argentina confirmou nesta sexta-feira que a morte do promotor Alberto Nisman, em janeiro de 2015, quatro dias depois de acusar a então presidente, Cristina Kirchner, de acobertar supostos terroristas, se tratou de um homicídio e não um suicídio, informaram fontes jurídicas.

O mais alto tribunal do país abaixo da Suprema Corte confirma assim o ponto de vista do juiz federal encarregado da causa, Julián Ercolini, que com base nas provas recompiladas pela promotoria já tinha apontado em novembro do ano passado a hipótese do homicídio.

"Procede encomendar aos magistrados a cargo da investigação o sustentado avanço do curso instrutório visando à completa e cabal determinação dos responsáveis pelo homicídio de Natalio Alberto Nisman, com a rapidez e seriedade que tão grave fato impõe", afirmou o alto tribunal em sua resolução.

Para tentar determinar se foi um suicídio ou um homicídio, já no ano passado a promotoria encarregou uma junta de peritos de realizar uma reconstituição do momento da morte do promotor, na qual se estabeleceu que duas pessoas espancaram, drogaram com cetamina e assassinaram Nisman em sua casa.

O promotor era o responsável por investigar o atentado contra a associação mutual judaica AMIA de Buenos Aires em 1994, que deixou 85 mortos.

Quatro dias antes de aparecer com um tiro na cabeça no seu apartamento de Buenos Aires, o promotor denunciou Cristina Kirchner, seu chanceler e outros colaboradores ao assegurar que a assinatura de um acordo entre a Argentina e o Irã em 2013 escondia um pacto para acobertar os suspeitos do ataque, entre eles ex-altos cargos desse país, para favorecer a troca comercial bilateral, algo que a presidente argentina entre 2007 e 2015 sempre negou.

A Câmara Criminal e Correcional Federal confirmou nesta sexta-feira, ao resolver diversos recursos interpostos pelos acusados na causa e por Sara Garfunkel, mãe de Nisman, o indiciamento dos quatro agentes da Polícia Federal encarregados da segurança do promotor, acusados de não protegê-lo "da forma devida".

Além disso, continuará indiciado pelo homicídio o técnico informático Diego Lagomarsino, colaborador de Nisman, que foi quem disse ter lhe emprestado a arma que o matou.

"Daqui para frente existe uma árdua tarefa instrutória com a finalidade de avançar na completa determinação das responsabilidades e a individualização de todos seus partícipes", acrescentou a Câmara.

Por enquanto, nenhum dos acusados está detido, embora Lagomarsino - que reitera que o próprio promotor lhe pediu a arma para proteger suas filhas - esteja proibido de sair do país desde 2015 e seja monitorado por uma tornozeleira eletrônica.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos