PUBLICIDADE
Topo

Briga durante partida da Copa deixa três refugiados mortos em Uganda

22/06/2018 09h08

Rhino Camp (Uganda), 22 jun (EFE).- Três refugiados sul-sudaneses morreram e 18 ficaram feridos em um acampamento de refugiados no noroeste de Uganda, após uma briga de motivos étnicos que começou quando assistiam a uma partida da Copa do Mundo da Rússia, informou nesta sexta-feira a polícia.

Um dos corpos, de um homem de 32 anos, foi achado hoje em uma mata e identificado pela polícia, e se soma a outras duas mortes, correspondentes a homens de 18 e 50 anos, respectivamente.

A briga começou no domingo durante a noite quando um grupo de refugiados via a partida entre Brasil e Suíça no campo de refugiados Rhino Camp, próximo à fronteira com o Sudão do Sul e com a República Democrática do Congo (RDC).

O jovem de 18 anos, de etnia dinka (uma das duas grandes etnias do Sudão do Sul) começou um enfrentamento verbal com um grupo de nuer (outra grande etnia), o que desencadeou uma briga que acabou com a morte destas três pessoas.

A polícia abriu uma investigação e deteve, até o momento, 18 pessoas que supostamente relacionadas com os fatos, informou à Efe a porta-voz da polícia local Josephine Angucia.

"Os detivemos para que nos ajudem nas investigações", explicou Angucia, que confirmou que está ocorrendo um grande desdobramento policial no campo de refugiados.

Outra porta-voz da polícia, Ketty Acayo, informou que irão situar os dois grupos étnicos em diferentes acampamentos para prevenir novas disputas futuras.

Uganda é o terceiro país do mundo com mais refugiados (sobretudo do Sudão do Sul, RDC e Burundi), depois da Turquia e do Paquistão, segundo dados do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR), que número em 1,4 milhão os refugiados na nação africana.

Só nos dois primeiros meses de 2018, o país recebeu mais de 50 mil novas pessoas que fogem da violência no nordeste da RDC.

Além disso, segundo a Acnur, só no mês de março 6.397 refugiados do Sudão do Sul chegaram ao país vizinho.