PUBLICIDADE
Topo

EUA suspendem "indefinidamente" exercícios militares na Coreia do Sul

22/06/2018 22h28

Washington, 22 jun (EFE).- O Pentágono anunciou nesta sexta-feira a suspensão "indefinida" dos exercícios militares na Coreia do Sul em cumprimento do estipulado entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, na semana passada.

"Para apoiar a implementação dos resultados da cúpula de Singapura, e em coordenação com nosso aliado, a República da Coreia, o secretário (James) Mattis suspendeu indefinidamente os exercícios", disse o Pentágono em comunicado.

Além da já conhecida suspensão das manobras conjuntas de agosto "Guarda da Liberdade", o Pentágono cancelou dois programas de treinamento com militares sul-coreanos programados para os próximos três meses.

O Pentágono também anunciou que "decisões adicionais dependerão de que a Coreia do Norte siga com negociações produtivas de boa fé".

Este anúncio foi realizado após uma reunião entre o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis; o secretário de Estado, Mike Pompeo; o presidente do Estado-Maior Conjunto, o general Joseph Dunford; e o assessor de Segurança Nacional de Trump, John Bolton.

A reunião tinha como objetivo falar da "implementação dos resultados da cúpula de Singapura".

Os exercícios militares "Guarda da Liberdade" são umas das manobras "defensivas" anuais que Washington e Seul realizam "para melhorar a preparação" das suas forças armadas, "proteger a região e manter a estabilidade da península".

Em 2017, as manobras se desenvolveram entre os dias 21 e 31 de agosto e delas participaram 17.500 militares americanos, 3.000 deles chegados de fora das bases que Washington tem na Coreia do Sul.

Além de EUA e Coreia do Sul, nas manobras participaram Colômbia, Dinamarca, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e Holanda, todos eles integrantes da coalizão liderada por Washington e Seul na Guerra da Coreia (1950-1953).

Embora os EUA sempre tenham defendido que as manobras "cumprem" com o armistício assinado em 1953 e países neutros atuem como "observadores", a Coreia do Norte as considera uma "provocação".

Os outros dois exercícios militares cancelados são do Programa Coreano de Troca de Fuzileiros Navais (KMEP, em inglês), nos quais também costumam participar milhares de militares de ambos países.