PUBLICIDADE
Topo

EUA preparam repatriação de corpos de soldados mortos na Guerra da Coreia

23/06/2018 07h34

Seul, 23 jun (EFE).- O Exército dos Estados Unidos levou neste sábado cem caixas de madeira à zona desmilitarizada entre as duas Coreias para receber do regime de Kim Jong-un os restos mortais de soldados americanos que faleceram na Guerra da Coreia.

A agência sul-coreana "Yonhap", que cita oficiais do Exército americano na região, afirmou que essas caixas ficarão na região de segurança conjunta para depois serem enviadas à Coreia do Norte.

Como parte dos preparativos, os militares americanos também levaram 158 caixões metálicos do quartel de Yognsan, no centro de Seul, para a base aérea de Osan, na província de Gyeonggi.

A repatriação dos restos mortais dos soldados americanos faz parte do acordo assinado durante a cúpula entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, realizada no último dia 12, em Singapura.

A maneira como esses restos mortais serão entregues aos americanos ainda não está clara, mas a hipótese de o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, assumir a responsabilidade sobre o processo não é descartada.

Ele irá a Pyongyang nos próximos dias para continuar com as negociações sobre a desnuclearização da Coreia do Norte, outro ponto que consta na declaração assinada por Kim e Trump.

Trump já tinha antecipado na semana passada, em entrevista à "Fox News", que os trâmites para a devolução dos corpos tinham começado.

Mais de 36 mil militares americanos morreram na Guerra da Coreia e 7,7 mil desapareceram. Calcula-se que 5,3 mil teriam sumido ao norte da fronteira entre as duas Coreias.

Equipes formadas por americanos e norte-coreanos encontraram 229 corpos entre 1996 e 2005, mas a Casa Branca suspendeu o programa de busca devido à piora das relações entre os dois países. Dois anos depois, Pyongyang devolveu os restos mortais de mais seis soldados.

Fontes do Pentágono explicaram que os caixões serão levados para bases militares instaladas no Nebraska e no Havaí para identificação.