PUBLICIDADE
Topo

Milhares de pessoas protestam na Romênia contra plano de reforma jurídica

24/06/2018 19h03

Bucareste, 24 jun (EFE).- Mais de 15 mil pessoas foram às ruas de Bucareste e outras cidades da Romênia na noite deste domingo para protestar contra os planos do governante Partido Social Democrata (PSD) de suavizar o procedimento penal mediante um decreto urgente, informou a agência "Agerpres".

"Não queremos ser uma nação de ladrões!", "(Eleições) Antecipadas!" e "Não aos decretos urgentes!", foram alguns dos gritos das mais de 10 mil pessoas presentes na Praça Victoriei, em frente à sede do Governo.

Outros milhares de pessoas saíram às ruas de Cluj (centro do país), Timisoara (oeste), Sibiu (centro) e Iasi (nordeste).

"Se suas tentativas de mudar a legislação judicial saírem hoje ou amanhã, estamos prontos para ir às ruas a qualquer momento", disse à Agência Efe Florin, um tradutor de 37 anos.

Os cidadãos protestam contra as tentativas do presidente do PSD, Liviu Dragnea, condenado na última quinta-feira a três anos e meio de prisão por abuso de poder, de modificar a lei para reduzir as penas e eliminar crimes, e assim se livrar da prisão.

Após receber sua sentença, Dragnea a rotulou de "execução em massa" a decisão do Alto Tribunal de Cassação e Justiça.

Em fevereiro de 2017, o governo social-democrata despertou a ira de centenas de milhares de cidadãos ao aprovar um decreto urgente que suavizava as leis contra a corrupção, mas acabou retirando-o diante dos protestos em massa, sem precedentes desde a queda do regime comunista, em 1989.

As emendas do procedimento penal permitiriam que Dragnea escapasse da condenação que tem agora contra si por ter criado empregos fictícios, afirmam os seus opositores.

Além disso, dizem que também o ajudariam a retirar sua inelegibilidade, após uma condenação anterior de dois anos de prisão sem cumprimento obrigatório por fraude eleitoral, o que impediu sua candidatura ao cargo de primeiro-ministro.

A oposição liberal já pediu a renúncia de Dragnea, enquanto os membros de seu partido mostraram que o apoiam ainda sob a presunção de inocência.

Recentemente, o líder do PSD conseguiu fazer com que mais de 100 mil seguidores fossem a uma manifestação em seu apoio e contra os supostos promotores que "fabricam casos".

A Promotoria Anticorrupção (DNA) também o acusa, em outro processo, de ter criado uma organização criminosa, de abuso de poder e de desvio de verbas europeias.