PUBLICIDADE
Topo

Mais de 2,5 milhões de crianças estão envolvidas com a guerra no Sudão do Sul

07/07/2018 21h56

Juba, 8 jul (EFE).- Três de cada quatro crianças nascidas no Sudão do Sul desde sua independência do Sudão, há sete anos, representando 2,6 milhões de menores, só conheceram a guerra que explodiu no final de 2013, afirmou neste sábado o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

"A perspectiva de um futuro melhor depois da independência do país em 2011 foi de curta duração após a explosão de uma guerra civil em 2013", lamentou o Unicef, em comunicado.

Amanhã completa sete anos desde que o Sudão do Sul obteve sua independência em um plebiscito, mas o conflito no jovem país africano, já muito pobre em 2011, faz com que os crianças estejam "fora da escola, desnutridas e vulneráveis às doenças, abuso e exploração", segundo a agência da ONU.

Mais de um milhão de crianças estão desnutridas no Sudão do Sul, incluindo 300 mil em estado grave e em perigo de morte, segundo dados do Unicef.

Além disso, o país registra a maior proporção de crianças fora da escola do mundo, com mais de 70% deles em idade escolar que não recebem educação, e a guerra afetou uma de cada três escolas, que estão danificadas, destruídas, ocupadas ou fechadas desde 2013.

O Unicef calcula que 19 mil crianças continuam servindo como combatentes, cozinheiros, porteiros e mensageiros e sofrendo abusos sexuais, em comparação com os 500 quando explodiu o conflito no final de 2013 entre as forças leais ao presidente Salva Kiir e a oposição armada.

Quando o Sudão do Sul se tornou independente, muitos refugiados retornaram para suas áreas de origem, mas a guerra obrigou mais de 2,5 milhões de pessoas, incluindo mais de um milhão de crianças, a fugir de volta para os estados vizinhos.

No último dia 25 de junho, o presidente Kiir e o líder da oposição armada, Riek Machar, cujas forças se enfrentam de forma intermitente desde o final de 2013, iniciaram uma nova rodada de conversas em Cartum, onde se registraram alguns progressos em relação a um acordo de paz que encerre o conflito armado com conotações étnicas.