PUBLICIDADE
Topo

Internacional

May diz que teve reunião "produtiva" com seus novos ministros

10/07/2018 09h39

Londres, 10 jul (EFE).- A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse nesta terça-feira que teve uma reunião "produtiva" com seu novo time de ministros, depois das recentes renúncias dos titulares de Relações Exteriores, Boris Johnson, e para a saída da União Europeia (UE), David Davis.

"Reunião produtiva do gabinete nesta manhã, vendo pela frente uma semana ocupada", escreveu May em sua conta no Twitter, junto com uma imagem dos sorridentes ministros ao redor da mesa de reuniões em sua residência de Downing Street.

"Enviamos nossos melhores desejos à Inglaterra para amanhã!", acrescentou a premiê, em referência ao jogo da seleção inglesa contra a Croácia pelas semifinais da Copa do Mundo.

May reuniu seu gabinete para retomar as rédeas do seu governo e do "Brexit", após as renúncias entre domingo e ontem de Davis e Johnson por desacordos com a estratégia governamental do processo de saída do Reino Unido da UE.

A primeira-ministra conta por enquanto com o apoio do gabinete e da maioria do grupo parlamentar conservador na Câmara dos Comuns, cujo porta-voz, Graham Brady, disse ontem à noite que não foram recebidos pedidos suficientes para forçar eleições internas para desafiar sua liderança.

Apesar das turbulências dos últimos dias, um porta-voz do ministério do "Brexit", agora dirigido por Dominic Raab, confirmou hoje que o governo tem a intenção de publicar na quinta-feira o esperado Livro Branco com seu plano de relação bilateral com a UE para depois da saída do bloco.

Este Livro Branco, que Bruxelas deverá analisar, conterá, entre outras coisas, a proposta estipulada na última sexta-feira pelo governo na residência oficial de Chequers, que provocou a renúncia dos dois ministros.

O plano contempla a criação de um mercado comum de bens britânico-comunitários com uma harmonização reguladora e aduaneira, e um "marco de mobilidade para os cidadãos" da UE, algo que não agrada os partidários de um "Brexit" duro.

Internacional