PUBLICIDADE
Topo

Elton John denuncia "discriminação" a homossexuais no leste europeu e Rússia

24/07/2018 13h33

Amsterdã, 24 jul (EFE).- O cantor Elton John denunciou nesta terça-feira em Amsterdã uma "clara discriminação" contra os homossexuais no leste europeu, Rússia e Oriente Médio, e advertiu que os governos dessas regiões obstaculizam a luta contra a Aids com suas políticas.

O artista afirmou que estes países "discriminam" lésbicas, gays, bissexuais e transexuais, impedindo o acesso a exames e medicamentos, e garantiu que "se não existisse esse fanatismo e esse ódio", o vírus HIV poderia ser eliminado muito mais rápido.

"Os políticos devem ser mais humanos", acrescentou, em referência ao presidente americano Donald Trump e ao russo Vladimir Putin.

John se pronunciou assim em entrevista coletiva no marco da conferência contra a Aids realizada nesta semana em Amsterdã, um evento ao qual também emprestou sua imagem o príncipe Harry, filho de sua amiga, já falecida, Diana de Gales.

Ambos uniram suas vozes para criticar as políticas de discriminação dos homossexuais que são "um impedimento" na luta contra o vírus causador da doença.

Além disso, John acrescentou que "com muita frequência e uma boa razão" os homens foram vistos como o problema na luta contra a Aids e pediu fazer do gênero masculino "parte da solução" para eliminar este vírus.

"É hora de haver uma coalizão global para mostrar aos homens como se proteger e, ao fazer, ensinar a proteger melhor não só suas esposas e namoradas, suas irmãs e filhas, mas também seus irmãos e filhos", acrescentou.

O irmão do Duque de Cambridge e o popular artista britânico anunciaram juntos a Coalizão MenStar, uma organização global cujo objetivo de atacar as infecções do HIV nos homens e que começará na África no próximo ano para encorajá-los a fazer os exames necessários para comprovar se são portadores do vírus.

Sete organizações beneficentes, incluída a Elton John AIDS Foundation, colocaram à disposição desta coalizão cerca de US$ 1,2 bilhão.