PUBLICIDADE
Topo

Estudante brasileira é assassinada a tiros na Nicarágua, informa universidade

24/07/2018 11h49

Manágua, 24 jul (EFE).- Uma estudante brasileira foi assassinada na noite de segunda-feira na Nicarágua, vítima de tiros de "um grupo de paramilitares" no sul da capital Manágua, segundo informou nesta terça-feira o reitor da Universidade Americana (UAM), Ernesto Medina.

Raynéia Gabrielle Lima, estudante do sexto ano de Medicina, foi morreu com "um tiro no peito que afetou o coração, o diafragma e parte do fígado", disse o reitor ao canal 12 da televisão local.

O assassinato ocorre em meio a uma crise sociopolítica com manifestações contra o presidente Daniel Ortega. A repressão governamental aos protestos já deixou entre 277 e 351 mortos, de acordo com organizações humanitárias locais e internacionais.

"É preciso dizer isso, paramilitares que estavam na casa de Chico (Francisco) López foram os que dispararam", disse o presidente.

López, tesoureiro do partido governante, Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), e até pouco tempo atrás gerente de duas grandes empresas estatais relacionadas com o petróleo e o setor construção, foi afetado pelo Global Magnitsky Act, dos Estados Unidos, que o acusou de graves violações aos direitos humanos.

A brasileira morava na mesma área que López, uma região ao sul da capital nicaraguense.

"As forças paramilitares sentem que têm carta branca, ninguém vai dizer nada a eles, ninguém vai fazer nada, eles andam sequestrando e fazendo batidas", denunciou o reitor.

O assassinato da estudante brasileira ocorreu horas depois de Medina participar de um fórum no qual disse que o crescimento econômico e a segurança na Nicarágua antes da explosão dos protestos contra Ortega em abril "era parte de uma farsa" porque "nunca houve um plano que acabasse com a pobreza e a injustiça".

"A morte desta moça é um sinal do que está acontecendo na Nicarágua, contradiz o que Ortega disse (em entrevista à "Fox News"), que tudo está normal, mas é uma paz de mentira, há paramilitares por todos lados", argumentou o reitor.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) responsabilizaram o governo da Nicarágua por "assassinatos, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias".

A Nicarágua está imersa na crise mais sangrenta da história do país em tempos de paz e a mais forte desde a década de 80, quando Ortega também foi presidente (1985-1990).

Os protestos contra Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, começaram no dia 18 de abril devido a fracassadas reformas na Previdência Social e se transformaram em um grande pedido de renúncia ao presidente, que acumula 11 anos no poder em meio a acusações de abuso e corrupção.