PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Correspondentes criticam nova "expulsão" de jornalista estrangeira na China

22/08/2018 10h01

Pequim, 22 ago (EFE).- O Clube de Correspondentes Estrangeiros na China (FCCC) protestou nesta quarta-feira contra o governo chinês por impedir uma repórter do portal "Buzzfeed", Megha Rajagopalan, de renovar seu visto de jornalista no país, o que a obrigará a abandoná-lo em breve.

"É deplorável e inaceitável para um governo que insiste repetidamente que os veículos de imprensa estrangeiros estão convidados a informar sobre este país", disseram os correspondentes em comunicado.

O FCCC tenta esclarecer com o Ministério das Relações Exteriores da China a razão da negação do visto, acrescentou a organização.

Megha publicou uma série de informações nos últimos meses sobre o uso de avançadas tecnologias de vigilância para aumentar a repressão em Xinjiang (região do noroeste da China com grande presença de minorias muçulmanas), pelas quais recebeu vários prêmios jornalísticos internacionais.

O caso lembra o da jornalista francesa Ursula Gauthier, obrigada a deixar a China no final de 2015 após criticar as políticas chinesas em Xinjiang.

Em 2012, o governo chinês também não renovou o visto da correspondente da "Al Jazeera" Melissa Chan, que tinha escrito uma reportagem sobre os campos de reeducação chineses.

Megha anunciou em sua conta no Twitter que continuará trabalhando com o "Buzzfeed" no Oriente Médio e que seguirá com sua investigação sobre as relações entre repressão estatal e as altas tecnologias.

"Embora já não possa fazê-lo dentro da China nunca mais, não deixarei de informar e denunciar a vigilância estatal, a repressão e o encarceramento de milhões de minorias étnicas muçulmanas em Xinjiang", prometeu a jornalista.

Internacional