PUBLICIDADE
Topo

Democratas dos EUA dizem que suposto ciberataque tratou-se de uma simulação

23/08/2018 12h39

Washington, 23 ago (EFE).- O Comitê Nacional Democrata (DNC, pela sua sigla em inglês) confirmou nesta sexta-feira que o suposto ataque cibernético à base de dados de eleitores denunciado ontem ao FBI e atribuído à Rússia tratou-se de um alarme falso, já que foi descoberto que fazia parte de uma simulação de uma das empresas encarregadas da segurança dos conteúdos em questão.

"Nós, junto com os parceiros que informaram sobre o site, acreditamos agora que (o hipotético falso site) foi construído por um terceiro como parte de um teste de 'phishing' simulado da companhia VoteBuilder", afirmou o chefe de segurança do DNC, Bob Lord, em comunicado enviado à Agência Efe.

O Partido Democrata alertou havia alertado na quarta-feira ao FBI sobre um ataque cibernético no qual supostamente tinha sido criada uma página inicial falsa com a mesma aparência que a de seu site oficial com o objetivo de compilar nomes de usuário e senhas.

Na denúncia, os democratas atribuíram a tentativa a hackers da Rússia, país que acusou também no passado de estar por trás de outros ciberataques.

Menos de 24 horas depois de reportar o ataque, os democratas reconheceram que tinha sido um erro, embora defenderam que "existam constantes tentativas de hackear o site do DNC".

"Apesar de estarmos extremamente aliviados de que isto não tenha sido uma tentativa de invasão por parte de um adversário estrangeiro, este incidente é uma prova a mais de que devemos continuar monitorando possíveis ataques", justificou Lord.

Além disso, o chefe de segurança do DNC considerou que o partido "tomou as precauções necessárias para garantir que não fossem colocados em perigo os dados confidenciais".

O Partido Democrata denunciou em abril a Rússia e a equipe de campanha do presidente americano, Donald Trump, alegando que conspiraram para ajudar o magnata republicano a ganhar as eleições presidenciais de 2016 através da invasão aos computadores de seu partido e o roubo de dezenas de milhares de mensagens eletrônicas e documentos internos.