PUBLICIDADE
Topo

CIDH confirma detenção de documentarista brasileira na Nicarágua

26/08/2018 13h25

Manágua, 26 ago (EFE).- O secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), o brasileiro Paulo Abrão, confirmou neste domingo em sua conta no Twitter a detenção da documentarista brasileira Emilia Mello na Nicarágua.

Emilia estava junto com pelo menos 27 pessoas, na sua maioria universitárias, quando foram detidas de "maneira arbitrária" pela polícia enquanto viajavam para a cidade colonial de Granada para participar de uma marcha contra o governo do presidente Daniel Ortega.

A documentarista posteriormente foi levada à sede da Direção de Migração e de Estrangeiros, onde, segundo a versão que as autoridades ofereceram aos detidos, será deportada.

Abrão afirmou também através do Twitter que Emilia Mello foi transferida do centro de detenção para Migração, onde seria expulsa ainda neste domingo.

Junto a Mello foram detidos no município de San Marcos outros 19 nicaraguenses, entre eles dois documentalistas locais, que horas depois foram libertados.Desde o último mês de abril, milhares de nicaraguenses saem às ruas para protestar contra Ortega, no marco de uma crise que deixou entre 322 e 448 mortos, segundo organismos humanitários internacionais e locais, enquanto o governo reconhece 198 falecidos e denuncia uma tentativa de golpe de Estado.

As manifestações contra Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, começaram devido a fracassadas reformas da seguridade social e se transformaram em um movimento que exige a renúncia do presidente, depois de 11 anos no poder, em meio a acusações de abuso e corrupção.