PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Opositor russo que está preso e em greve de fome é hospitalizado novamente

26/08/2018 14h55

Moscou, 26 ago (EFE).- O opositor russo Sergei Udaltsov, que está preso em Moscou e faz uma greve de fome desde 14 de agosto, foi hospitalizado neste domingo pela segunda vez em oito dias, informou sua esposa.

"Esta manhã, às 11h (5h em Brasília) Sergei foi hospitalizado", disse Anastasia Udaltsova à agência russa "Interfax". A esposa do opositor acrescentou que seu marido sofre de "desidratação grave, insuficiência renal e pressão arterial baixa".

No hospital, Udaltsov recebe um tratamento por via intravenosa. Como ele realiza uma greve de fome seca, na qual também deixa de ingerir líquidos, esta é sua segunda internação, pois no domingo passado foi levado a um centro médico por causa de dores nos rins, mas foi devolvido à prisão um dia depois.

O opositor, líder da Frente de Esquerda, iniciou a greve de fome depois que um Tribunal aprovou sua detenção administrativa durante 30 dias por organizar, no dia 28 de julho, uma manifestação não autorizada contra a reforma da previdência na Rússia.

Durante o protesto, Udaltsov queimou "retratos de pessoas parecidas com integrantes do governo" russo, segundo o Tribunal.

Udaltsov já cumpriu quatro anos e meio de prisão por participar em maio de 2012 de distúrbios no meio dos maiores protestos antigovernamentais desde a queda da União Soviética.

A reforma da previdência, que prevê aumentar a idade mínima para a aposentadoria no país, provocou vários protestos em diversas cidades russas que estiveram acompanhados de pedidos de um referendo sobre a iniciativa.

A oposição russa planeja realizar em Moscou outras duas manifestações contra a polêmica medida, nos dias 2 e 9 de setembro.

Precisamente ontem, foi detido em Moscou o líder opositor russo Alexei Navalny, que convocou para 9 de setembro, dia das eleições municipais e regionais na Rússia, um protesto em dezenas de cidades contra a reforma da previdência que, segundo pesquisas, é rejeitada por quase 90% da população.

Internacional