PUBLICIDADE
Topo

Rússia diz relações com Israel estão prejudicadas, após avião ser derrubado

24/09/2018 10h35

Moscou, 24 set (EFE).- O Kremlin afirmou nesta segunda-feira que as relações entre Rússia e Israel ficaram prejudicadas, depois que o avião russo Il-20 foi derrubado na Síria, com 15 militares a bordo, em um ataque aéreo israelense contra instalações sírias.

"De acordo com os nossos especialistas militares, essa tragédia foi causada por ações premeditadas de pilotos israelenses, o que sem dúvida não pode prejudicar as relações russo-israelenses", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas.

O caso aconteceu na semana passada. Segundo a Rússia, caças israelenses usaram o Il-20 como escudo, o que obrigou o governo a tomar a decisão de enviar à Síria o sistema com mísseis antiaéreos s-300, acrescentou Peskov.

Mais cedo, o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, anunciou em comunicado que os s-300, capazes de interceptar simultaneamente vários alvos e com alcance de até 250 quilômetros, serão entregues às forças sírias em um prazo de duas semanas.

"A Rússia, neste assunto, se guia exclusivamente por seus próprios interesses. Isto não é contra países terceiros, mas em defesa dos nossos militares", explicou Peskov.

Shoigu deixou claro que a decisão de fornecer mísseis antiaéreos aos militares é uma resposta ao ataque israelense que provocou a queda acidental do avião militar russo.

Peskov, por sua vez, repetiu as palavras do presidente da Rússia, Vladimir Putin, que no dia do incidente se referiu a uma "trágica cadeia de coincidências", mas ressaltou que a situação foi "favorecida por ações premeditadas dos pilotos israelenses".

"O avião, graças a Deus, não foi derrubado por um míssil israelense. Mas essa cadeia de coincidências foi provocada por ações premeditadas dos pilotos israelenses. E os dados levantados por nossos especialistas militares demonstram isso", afirmou o porta-voz do Kremlin.

Ontem, o Ministério de Defesa da Rússia responsabilizou Israel pela queda do Il-20 no último dia 17. O porta-voz da pasta, o general Igor Konashenkov, qualificou de "falta de profissionalismo" e "negligência criminosa" a atuação dos pilotos israelenses e disse que eles usaram a aeronave russa como escudo contra a defesa antiaérea síria.